segunda-feira, 3 de novembro de 2014

A PALAVRA PRODUZ AVIVAMENTO N,2


                                   A PALAVRA PRODUZ AVVIAMENTO N.2

AA efusão do Espírito Santo sobre os crentes da Rua Azusa foi o centro irradiador do avivamento que se espalhou por todo o mundo do nosso tempo. Foi mediante a liderança do pastor Seymour que fiéis de diversos lugares reuniram-se em um antigo galpão para buscar a presença de Deus e orar pela conversão dos ímpios. O pastor Seymour não era pregador eloqüente, mas anunciava a promessa pentecostal do batismo no Espírito Santo com a evidência física inicial de falar noutras línguas. Depois, assentava-se no púlpito, colocava o rosto entre as mãos e não parava de interceder, suplicando a Deus que operasse no coração dos ouvintes. Enquanto orava, o poder de Deus manifestava-se; os crentes eram batizados com o Espírito Santo; a convicção das verdades divinas transbordava a alma, e um veemente desejo de viver em santidade era experimentado por todos.

A pobre cidade rica de Laodicéia localizava-se no vale do rio Lico, próximo a Colossos e Hierápolis, na interseção de duas importantes estradas comerciais (Cl 2.1; 4.12-16). Originalmente era chamada de Diósopolis — cidade de Zeus —, mas, após a reforma urbana feita por Antíoco II, recebeu o nome de Laodicéia, em homenagem a Laodice, esposa do soberano. A riqueza da cidade procedia do comércio de lã (tecidos, tapetes), dos bancos, de suas águas termais e da produção de bálsamo para os olhos. E, quando a cidade foi destruída por um terremoto em 60 d.C, os habitantes recusaram ajuda imperial e reconstruíram a cidade com suas próprias riquezas a fim de mostrarem a sua auto-suficiência. No entanto, segundo Jesus, eram miseráveis, desgraçados, cegos e nus. Necessitavam de um avivamento bíblico, uma vez que a igreja era indiferente espiritualmente (vv.15-16).
A carta aos laodicenses em Apocalipse segue a presente estrutura: Remetente e Destinatário (v.14); Repreensão (vv.15-17); Exortação (vv.18-20); Promessa (vv.21,22).

 Sabemos que os crentes laodicenses são exemplos históricos e proféticos de uma comunidade cristã sem vida e dinamismo espiritual. Quanto ao aspecto histórico, a igreja de Laodicéia circunscreve-se ao período do Novo Testamento, mas quanto ao profético, atravessa os séculos. No entanto, na história da igreja cristã, muitos reformadores ansiaram por uma igreja avivada, comprometida com as Escrituras, a evangelização, adoração e a santificação. Por isso, reproduza o gráfico a seguir e o incremente com novas informações. Apresente o gráfico no início do tópico V, uma vez que as “Características do Real Avivamento” estão relacionadas aos ideais dos movimentos avivalistas.
Laodicéia era uma cidade rica e soberba, da província romana da Ásia (hoje, Turquia). Profeticamente, figura a igreja dos “tempos trabalhosos” que precedem a volta de Cristo, conforme descreve 2 Timóteo 3.1-9. Laodicéia é um nome composto que, numa tradução livre, significa “direitos humanos”; “o povo mandando”; “democracia”. Os direitos de Cristo são ignorados pelo crente e igreja. Biblicamente, a igreja deve ser teocrática: “minha igreja”, diz o Senhor (Mt 16.18; Is 43.1).

                        CRISTO E O SEU CARÁTER

A igreja de Laodicéia era material e socialmente próspera, por situar-se em uma cidade muito rica. A Bíblia e a história mostram que, quase sempre, quando um povo ou indivíduo prospera, costumam dar as costas para Deus. Israel fez isso (Dt 32.15). A igreja de Laodicéia também. Neste particular, a Palavra de Deus adverte a todos: “se as vossas riquezas aumentam, não ponhais nelas o coração” (Sl 62.10; Dt 6.10-12; Jr 17.11; Lc 12.15,20,21; 1 Tm 6.6-10).
1. Cristo, o “Amém” (v.14). Ele chama a Si mesmo “o Amém” (2 Co 1.20). Deste modo, identifica-se como Deus, que assim também é chamado no original (Is 65.16). O termo significa “firmeza”, “certeza”, “estabilidade”, “imutabilidade”, e daí, “verdade” absoluta. Jesus ao declarar “Eu sou a Verdade”, usou o termo “amém”. A expressão “em verdade, em verdade” empregada por Jesus, no original, é “amém, amém”.
2. Cristo, a testemunha fiel e verdadeira (v.14). É uma extensão do sentido do nome divino “Amém”. Ele veio a este mundo para dar o perfeito testemunho da Verdade (Jo 18.37). Numa igreja avivada pelo Espírito, o testemunho de Jesus é manifesto e notório de muitas maneiras, enquanto na que se distancia de Cristo, nada há que atraia os pecadores para serem salvos.
3. Cristo, “o princípio” da criação de Deus (v.14). Ele é o Criador, a fonte, a origem, a razão de ser de tudo o que existe (Jo 1.3; Cl 1.16). Esta preeminência de Cristo é uma reprimenda ao orgulho dos laodicenses de então, e de hoje. É também a maneira graciosa do Senhor Jesus assegurar a igreja, que Ele pode recriar e fazer novas todas as coisas (Ap 21.5; Jó 14.7-9).
4. O proceder dos crentes laodicenses. “Eu sei as tuas obras” (v.15). Antes da conversão, as obras são nulas para Deus (Ef 2.8-10; Tt 3.5), mas como efeito da salvação, agradáveis a Deus (Ef 2.10; Tt 3.8; Mt 5.16; Ap 14.13). O Senhor sabia tudo o que os crentes de Laodicéia praticavam, a partir do seu pastor (v.14).

      A CONDIÇÃO DA IGREJA EM LAODICÉIA (vv.15-17)

Não há qualquer elogio do Senhor à igreja em Laodicéia e Sardes (v.1). Laodicéia não foi censurada por heresia, facções ou imoralidade. O problema daquela congregação é o mesmo de inúmeros crentes da atualidade: autojustiça, indolência, duplicidade religiosa, transigência com o erro e auto-engano (vv.16,17).
1. A duplicidade religiosa (vv.15,16). Era uma igreja espiritualmente morna e que agradava a todos. O estado espiritual de Laodicéia era deplorável. É evidente que essa igreja era morna porque o seu pastor também o era (v.14). O rebanho, até certo ponto, é o reflexo de seu pastor ou dirigente. Mornidão fala de duplicidade, hipocrisia, fingimento — coisas que Deus abomina. “Aborreço a duplicidade”, diz o Salmo 119.113. A Palavra condena a duplicidade de coração (Tg 1.8; 4.8); de ânimo (1 Tm 3.8); de linguagem (Pv 17.20; Mt 5.37); e de senhores (Mt 6.24).
2. A condição final de Laodicéia (v.17). “Um desgraçado, e miserável, e pobre, e cego, e nu”. “De nada tenho falta”, diziam. “Desgraçado”, por estar arruinado. “Miserável”; porque perdeu o que tinha. “Pobre”, por ter regredido. “Cego”, por estar em trevas. “Nu”, por não andar em retidão.
3. O engano da auto-suficiência humana. “De nada tenho falta” (v.17). Este é o princípio de nossa queda. O crente avivado em Deus, nunca estará satisfeito no sentido de não precisar mais das coisas do Senhor. Jesus disse: “Bem-aventurados os que têm fome e sede de justiça, porque eles serão fartos” (Mt 5.6).
            
  CRISTO, A SOLUÇÃO PARA A IGREJA (vv.18,10)

1. O conselho amoroso do Senhor. Um sábio e santo conselho deve ser acatado e posto em prática. Trata-se de um conselho do divino Conselheiro (Is 9.6). Uma igreja sem Cristo, luz e santidade (v.20), pode ainda reconciliar-se com o Senhor e obter tudo o que perdeu ao deixá-Lo.
2. “Ouro provado no fogo” (v.18). Corresponde a fé em Cristo (1 Pe 1.7). Essa fé não é apenas necessária à vida cristã, mas vital e essencial: “pois o justo viverá da fé” (Rm 1.17). O profeta do avivamento, Habacuque, já apregoara esta verdade (Hc 2.4). Sem fé não há relacionamento com Deus (Hb 11.6).
3. “Vestidos brancos” (v.18). É símbolo da justiça e santidade (Sl 132.9; Is 61.10; Ap 19.8). São dois lados do mesmo assunto. Justiça é a santidade vista do lado humano. Santidade é esse estado do ponto de vista de Deus. Ler Ap 19.8; 2 Co 5.21; Fp 3.9.
4. “Colírio” (v.18). Corresponde a restauração da visão espiritual que vem pelo Espírito.
5. “Eu repreendo e castigo” (v.19). Castigo não é o mesmo que punição, pois visa a correção (Pv 15.31). O aço e o ouro, tão necessários e úteis, são fabricados e purificados por meio do fogo. As operações são diferentes, mas o fogo é um só. O mesmo pode ocorrer a uma igreja desobediente como Laodicéia.
6. “Arrepende-te” (v.19). Não há sincero arrependimento, sem que haja mudança. Arrepender-se é voltar para Deus (Mt 21.29). O incrédulo arrepende-se para a salvação, enquanto o crente, para endireitar a sua vida com Deus. Esse arrependimento é precedido de “tristeza segundo Deus” (2 Co 7.10).

     CRISTO, O SEU CONVITE E PROMESSA    (vv.20-22)

1. “Estou à porta e bato” (v.20). Neste texto, temos uma cena triste e, ao mesmo tempo, a mais confortante do mundo! Cristo do lado de fora, rejeitado pelos crentes e ansioso para entrar. Uma expulsão tríplice:
a) Expulso da nação israelita — pela rejeição;
b) Expulso pelo mundo — por meio da crucificação;
c) Expulso da igreja — mediante a insatisfação e o mundanismo.
Mesmo assim, vemos o insondável amor de Cristo por sua igreja nos vv. 19 e 20.
2. “Se alguém” (v.20). Jesus não se dirige à igreja, mas a cada indivíduo. Ele não força a conversão do incrédulo, nem a reconciliação do desviado. Ele aguarda com paciência, pois somente o dono da casa pode abrir-Lhe a porta do coração.
3. A promessa de Cristo (v.21). A promessa está restrita aos vencedores:
a) “Ao que vencer”. A vida cristã autêntica está situada em um campo de batalha contra as forças do Mal. Brincar de religião, de ser crente, de igreja, é comprometer o destino eterno de si mesmo.
b) “Sentar-se comigo no meu trono”. Graça Maravilhosa! A maior promessa dentre as sete feitas às igrejas do Apocalipse.

   CARACTERÍSTICAS DE UM REAL AVIVAMENTO

O avivamento espiritual de que precisamos, como no princípio, tem como características as seguintes expressões:
1. Contrição total pelo Espírito Santo. É neste contexto espiritual que o avivamento se instala e o Espírito assume a primazia e predomina.
2. Amplo perdão e reconciliação (At 4.32). No primeiro avivamento da igreja, a Bíblia diz: “Era um o coração e a alma da multidão dos que criam”.
3. Santidade de vida, dentro e fora da igreja. Se um avivamento não resultar nessa mudança de vida, tudo não passará de mero entusiasmo, artificialismo e emoção.
4. Renovação espiritual. Batismo com o Espírito Santo acompanhado de línguas estranhas e manifestação dos dons espirituais.
5. Segundo o modelo da Palavra de Deus (Sl 119.25,154). Sem inovações descabidas; distorções ou manipulação humana.
6. Amor, zelo e freqüência à Casa do Senhor. A Casa de Deus vem sofrendo por falta de avivamento dos que a freqüentam. 
Quando ou em que situação a igreja carece de um avivamento do Espírito? Decerto, quando nela prevalecer o comodismo e a indiferença (Ez 37.9); a sonolência espiritual (Ef 5.14); a insensibilidade (Cl 4.17; 2 Tm 1.6); o secularismo (Rm 12.2), e, quando passa somente a defender-se do mal, em vez de atacá-lo. Não queres hoje mesmo ser renovado pelo Espírito Santo?

      As Características do Verdadeiro Avivamento

1. O verdadeiro avivamento tem a Bíblia Sagrada como a inspirada, infalível, inerrante e completa Palavra de Deus.
2. O verdadeiro avivamento não admite qualquer outra revelação que venha contrariar as Sagradas Escrituras, pois estas são soberanas e irrecorríveis.
3. O verdadeiro avivamento prima pela ortodoxia bíblica e pela sã doutrina.
4. O verdadeiro avivamento é espiritual, mas não admite o misticismo herético e apóstata que, sob a capa da humildade, busca desviar os fiéis das recomendações dos profetas do Antigo Testamento e dos apóstolos do Novo Testamento.
5. O verdadeiro avivamento prega o Evangelho completo de Nosso Senhor, anunciando que Jesus salva, batiza no Espírito Santo, cura os enfermos, opera maravilhas e que, em breve, haverá de nos buscar, a fim de que estejamos para sempre ao seu lado.
6. O verdadeiro avivamento enfatiza a salvação pela graça através do sacrifício vicário do Filho de Deus.
7. O verdadeiro avivamento é pentecostal; realça a atualidade do batismo no Espírito Santo e dos dons espirituais.
8. O verdadeiro avivamento tem um firme compromisso com o imperioso ide de Nosso Senhor Jesus Cristo, por isto não poupa recursos humanos e financeiros na evangelização local, nacional e transcultural.
9. O verdadeiro avivamento acredita na necessidade e possibilidade de todos os crentes viverem uma vida de santidade e inteira consagração a Deus.

10. O verdadeiro avivamento é intercessor. Leva os crentes a rogar ao Pai Celeste por aqueles que ainda não foram alcançados pelo Evangelho.”(ANDRADE, C. C. Fundamentos bíblicos de um autêntico avivamento. RJ: CPAD, 2004, p. 187-8.)CPAD, 2002, pp.54.55).

sábado, 1 de novembro de 2014

MODERNIZAR OS HINOS ?

             
           NÃO PRECISAMOS MODERNIZAR OS HINOS 


Um movimento está rastejando através das igrejas evangélicas e reformadas nos dias de hoje. Ele está a ganhar ritmo ao nos aproximarmos do século 21. "O estado espiritual e moral do Reino Unido chegou a um ponto de crise", ele diz, "mas a nossa imagem tradicional da Igreja é datado. Estamos perdendo credibilidade e fazendo pouco impacto para o evangelho. Convenções amada do passado deve ser abandonado e devemos nos sintonizar com as pessoas do século 21. Se não o fizermos, nossas igrejas serão deixados para trás e diminuir em nada. Temos de modernizar, ou perecer! "
ALTERAÇÕES
Esta resposta tem produzido mudanças radicais. A citação a seguir indica alguns destes. Ele resume um desafio lançado em uma assembléia de ministros reformaram em 1997:
Nós precisamos desesperadamente de modernização. Devemos antes de tudo, jogar fora o AV, porque isso é arcaico, e devemos ficar mais com-lo em outras áreas também. Fui convidado a pregar em uma igreja recentemente que pratica esses tipos de coisas e depois de ser à primeira crítica, comecei a perceber que era apenas o meu gosto pessoal, eu estava seguindo. Olhei em volta e vi que havia cerca de quatro centenas de pessoas presentes, que de outra forma não foram lá, se as coisas não tinham sido modernizados. Além do mais, não havia um único terno que está sendo usado em toda aquela congregação. Esta é a forma como as pessoas se vestem hoje. Não devemos incentivar congestão no vestido ou qualquer outro aspecto da vida da igreja ... Nós só temos a nós mesmos para culpar se nos apegarmos a arcaísmo e têm apenas pequenas congregações ... Precisamos soltar-se na forma como nos relacionamos com outras pessoas e fazer da igreja um mais lugar agradável para visitar. Deve haver hinos mais modernos, uma participação mais congregacional na adoração, mais informalidade. "1
MODERNIZAR MOVIMENTO
Isso representa o que está por trás do que só pode ser chamado de um movimento modernizador. De acordo com ele, a cultura secular mudou, mas nossa cultura igreja permaneceu onde estava: no século passado, com muitos dos nossos templos. Nossas formas Estreito-revestido de culto e de vida cristã não estão ajudando a causa de Cristo hoje. Eles não podem se relacionar com a idade de bytes de som, informalidade estudada, o hedonismo, e num momento em que as pessoas saibam mais sobre os dinossauros do que sobre Jesus Cristo. Então, se estamos a apelar para as pessoas do século 21 temos de nos tornar uma igreja do século 21. Precisamos rever seriamente a nossa adoração e prática como as pessoas encarregadas de um evangelho eterno.
NOVA SITUAÇÃO
Este, temos a certeza, é uma situação nova. Até 20 anos atrás as coisas não eram tão urgente como agora. Naquela época, nós poderíamos ter o nosso serviço "sanduíche hino": hymn- oração-hino-leitura-hino sermão, etc., a nossa versão autorizada, hinos com "Ti" e "Tu" neles, vestido formal, serviços de LED e assim por na. Mas a não-igreja-indo homens de hoje não estão familiarizados com essas coisas. Como podemos esperar que eles nos levem a sério com turn-offs como estes? Deve haver uma nova abordagem para o novo clima. E assim temos este clamor por contemporaneidade.
IRRECONHECÍVEL
Ele deixou muitas igrejas irreconhecível em comparação com o que costumava ser. Constantemente, as mudanças foram feitas. A Nova Versão Internacional está agora no lugar, às vezes até o Good News Bible. Um suplemento de coros e canções modernas juntou o hinário, às vezes com Louvor Missão ou Canções de Fellowship tomando conta. Um retroprojetor lança mais músicas e refrões em uma tela ou parede traseira. Uma variedade de instrumentos musicais conduzir o canto. As crianças também são entretidos por uma conversa divertida. Mulheres e jovens levam certos itens. Pregação é reduzido para quinze ou vinte minutos, castrado de conteúdo bíblico sério. Serviços exalam informalidade, projetado para fazer o visitante se sentir bem-vindo e não convertido confortável.
Nem todas as igrejas que se deslocam desta forma ter todos esses elementos. No entanto, uma vez iniciada, onde você parar? O impulso para a mudança pode ser irresistível. Muitas igrejas são um fantasma do que eles eram, porque foram levados mais longe do que pensava. E muitas vezes o resultado não é grande aumento na convertidos, mas o preço foi a perda de seus membros mais piedosos e valiosos.
NOVO HINÁRIO
Movimentos geralmente têm uma bandeira com a qual usuários podem identificar. Este ano não vai aparecer um novo hinário intitulado Elogio! (Ref. 2) Composta por cerca de nove centenas de peças, é um novo e importante coleção, em uma escala semelhante à hinos cristãos. No entanto, a diferença é que, enquanto o segundo foi publicado em 1977 e reflectido a preferência por cantos tradicional, Louvor! reflete o novo estado de espírito. Assim, o segundo parágrafo do seu prefácio afirma que o livro "representa uma abordagem radicalmente nova para o que cantamos em nossas comunidades cristãs."
Um exemplo dessa "nova abordagem" é modernizar a redação de hinos. Mais tarde, no Prefácio, lemos: "Como regra geral nós removemos todo o uso de pronomes arcaicos e suas formas verbais associados como não sendo essencial na adoração." Então, já vão longe "Tu" e "Ti", juntamente com terminações verbais como " eth "e" est ". Isto, obviamente, se encaixa com a filosofia de modernização descrito acima. Mas ruínas hinos finos como Samuel Davies 'Adoradores são usados ​​para estas palavras no primeiro verso e abster-se "Grande Deus de maravilhas.":
Grande Deus das maravilhas! todos os teus caminhos são incomparável, divino e divino; Mas as justas glórias de Tua graça, mais divino e incomparável brilho: Quem é Deus perdoador como tu ?, Ou quem tem graça tão rica e gratuita?
Agora eles estão:
Grande Deus das maravilhas, todos os seus caminhos são soberanos, santo e divino ;
mas incontáveis ​​atos de perdão graça além de suas outras maravilhas brilhar. Quem é Deus perdoador como você, com a graça tão rica, tão livre, tão verdadeiro?
É uma das muitas grandes hinos sacrificadas no altar da modernidade.
NOVO MATERIAL
Ainda mais grave é o novo material os compiladores têm incluído neste hinário. Tal como o seguinte por Graham Kendrick (um compositor bem conhecido de canções tipo charismatic-):
Estamos aqui para louvar-vos, elevar nossos corações e cantar. Estamos aqui para dar-lhe o melhor que podemos trazer. E é o nosso amor
crescente de nossos corações, tudo dentro de nós clama: "Abba Pai"
Ajude-nos agora para lhe dar prazer e alegria,
coração, mente e vontade que dizer, 'Eu te amo, Senhor. "
Como cristãos sérios podem oferecer tais linhas banais a Deus na adoração é incompreensível. Mas este é apenas o ponto. Este novo hinário não tenha sido produzido por uma editora carismático, mas por uma relação de confiança que tem entre seus Consultivo Conselho Errol Hulse, Hywel Jones, Stuart Olyott e outros irmãos conhecidos e respeitados. Esse movimento se espalhou surpreendentemente longe, e é provável que levar junto muitos mais. Christian Hymns nunca teria tido o material como este. No entanto, aqui é um novo hinário fazendo de modo que visa claramente a mesma circunscrição, e é um potencial substituto para ele.
No futuro, as igrejas serão conhecidos pelo hinário que eles usam. Louvor! representa um divisor de águas histórico. Aqueles que têm este hinário irá declarar onde estão em relação a este movimento de modernização, da mesma forma que aqueles que foi até a Nova Versão Internacional fez. Temos agora um hinário moderno, bem como uma versão moderna da Bíblia a ser uma bandeira de mudança e decadência. A aparência deste hinário simplesmente acelerar o downgrade miserável na adoração que todos os crentes mais exigentes vai lamentar.
RESPOSTA
O que, então, devemos pensar desse movimento modernizador? Como devemos responder a isso? Pesando estas coisas nos saldos das Escrituras e da história da Igreja nos dá a única perspectiva segura. Deste ponto de vista, os seguintes pontos são relevantes.
1. Este movimento não é realmente novo.
cristãos no passado foram alarmados e consternados com o declínio na Igreja. E eles têm recorrido a novas formas de corrigi-la. Perto do final do século passado foi assim. A escassez de conversões e ausência de avivamento incomodado muitos. Progresso secular parecia estar carregando tudo antes dela. Um clima de otimismo e confiança estava no exterior que se divorciou de bíblicos e históricos grandes pensadores Christianity- Darwin e outros tem visto a isso. Todo mundo parecia estar se esforçando para a Idade de Ouro do século 20.
Muitas igrejas olhou para as campanhas de Moody, que incluíram novos métodos de comunicar o evangelho para as massas: solos, testemunhos e pede para vir para a frente. Amigo Moody, FB Meyer, fez o equivalente em sua igreja. Em 1893 ele começou a realizar reuniões para homens sem igreja chamado "Um agradável domingo à tarde." O programa incluiu hinos por um coro, solos, um breve discurso e até aplausos. Hoje em dia, esses recursos estão incluídos na parte da manhã e serviços de dia à noite do Senhor: as coisas não tinham viajado tão longe naquela época.
Como sabemos, este alojamento às supostas necessidades dos "outsiders" não funcionou. Os últimos cem anos mostram que apenas esses métodos enfraquecido o evangelho e permitiu que a Alta Crítica alemã para tomar posse mais firme neste país. CH Spurgeon viu a falácia dele e declarou: "Não fale conosco sobre inovações, e tudo isso; acabar com o seu lixo! "
Naquela época, o novo modernismo em métodos ajudaram o novo modernismo na incredulidade teológica, e entre eles, apressou-se a maré vazante da causa de Deus. Este novo modernismo em métodos hoje vem em um momento de descrença generalizada e apostasia na igreja professa. Ele não é mais destinado a ajudar a reverter isso do que o seu equivalente de um século atrás. Nossos males espirituais e morais mais profundas do que os cultos da igreja user-friendly pode alcançar.
2. Este movimento deixa de contar com a verdadeira necessidade do homem.
Qual é a sua cegueira espiritual, e inimizade com Deus. Vamos encarar este quadrado: adoração bíblica não possui nenhuma atração para o homem não regenerado e nunca pode. Isso é porque ele se concentra sobre o que ele não pode se relacionar e se recusa a considerar. A diferença entre os adoradores espirituais e os "de fora" sempre será enorme e intransponível, para além da graça de Deus. As pessoas "não se atreviam a juntar-se" para nós (Atos 5:13), não porque não estamos com-lo o suficiente, mas porque a nossa única atração é Deus. Tornando as coisas mais adaptado à sua cultura não vai ajudar.
Concedido, é irresponsável ser indiferente aos excomungados, que podem se aventurar em nossos serviços. Olhares pouco acolhedores, canto fúnebre, pregação clara e cansativo são, obviamente, vai afastar as pessoas. Haja vitalidade, clareza e as calorosas boas vindas, como sempre haverá em que o Espírito Santo está presente. Mas novas formas de culto, as novas versões da Bíblia e novos hinários em grande quantidade não vai trazer o que apenas a graça soberana de Deus pode fazer.
Foi justamente disse que o nosso evangelho deve abordar o mundano de acordo com a sua criação, não a sua cultura. Este último está a mudar, o primeiro é de base. Sua necessidade real é como alguém feito à imagem de Deus, mas caiu. Os meios da graça na igreja dirigir a ele a esse nível. Escritura e experiência nos ensina que os estrangeiros são mais impressionado quando experimentam adoração, pregação ungida pelo Espírito, e uma atmosfera de reverência e amor cristão que honra a Deus. Reformulando as coisas é, mas mexer com os sintomas e não ir à raiz do problema. Se cremos nas doutrinas bíblicas da depravação total do homem e da graça soberana de Deus, vamos evitar este movimento modernizador.
3. Escritura é contra a abordagem esse movimento leva.
Evangelismo parece ser o fator de todos os controladores. Como se eficácia aqui deve determinar tudo o mais. Isso, porém, não é bíblico. De acordo com a Bíblia, a fim de que a Igreja de Deus é a primeira adoração, então testemunha. Em seu Antigo Testamento formam a Igreja foi organizada, instruída, disciplinada e santificado para "demonstrar os louvores do Senhor" (Isaías 60: 6). E em sua forma cristã é o mesmo (1 Pedro 2: 5,9-aviso, um sacerdócio espiritual para oferecer adoração e, em seguida, para manifestar os louvores de Deus para um mundo necessitado).
Quando o culto ea vida em conjunto, são biblicamente ordenada, é uma exposição digna de sabedoria de Deus para os anjos (Efésios 3:10; 1 Coríntios 11:10). Paulo estava satisfeito com a "ordem" que ele conhecia era na igreja de Colossos (Colossenses 2: 5). Somente quando isso é assim que podemos também ser testemunha credível a um mundo descrente. Quando a adoração é subordinada ao evangelismo, algo está seriamente errado. As necessidades dos ímpios então governar como adorar a Deus. A cauda é agora abanando o cachorro. A Igreja não é olhar para fora em vez de para cima, e, portanto, esquecendo todo o ponto de sua existência? Desde quando o não regenerado teve uma palavra a dizer no que é feito, ou não feito, na própria Igreja de Deus? (1 Timóteo 3:15). Ceder às exigências deste movimento é deixar o mundo para dentro da Igreja.
4. Esta nova modernismo em métodos é influenciada pelo espírito da época.
Vivemos em dias em que quase tudo é velho lamentou. O que pertence ao passado é automaticamente assumido a ser ultrapassada. Isso faz com que as pessoas sentem a necessidade de mudar as coisas e torná-los atualizados. Lojas re-habilitar-se para um novo olhar, as empresas gastam milhões em um novo logótipo e libré, maquiagens para isso e que estão em demanda. Mais sinistro, porém, é o espírito que busca reinventar valores e crenças tradicionais. Padrões absolutos são desconsiderados, a experimentação na moralidade e estilos de vida é glamourizados, e "alternativas" são gritou-se. Os limites do bom gosto e decência são empurrados mais e mais pela mídia do entretenimento. Novas profundidades de feiúra e do mal são explorados para satisfazer a inquietação de uma idade que perdeu suas amarras.
Infelizmente, muitos cristãos parecem estar afetado por este espírito e são como os de Atenas, que "gastam seu tempo em nada mais, senão de dizer, ou ouvir alguma coisa nova." (Atos 17:21). Quando se trata de adoração e evangelismo cristão esse espírito não tem lugar. Nem nosso Senhor nem Seus apóstolos dobraram seus princípios para os ventos da mudança. A Grande Comissão não prevê oficinas sobre adoração, aconselhamento, o uso da música, drama, risos e afins. Ele nos diz para "ensinar" (Mateus 28:19) e "pregar" (Marcos 16:15) da verdade salvífica de Cristo. Diz-nos em adoração só para ter "ordenado" as coisas (Mateus 28:20) -ië, apenas coisas sancionadas pelas Escrituras. A Igreja é chamada a mudar, não pode ser mudada por, o espírito da época. Nós temos nossa agenda do céu, e se antiquado ou novíssima, devemos cuidar nada para a nossa imagem enquanto estamos agradando a Deus.
Deus Todo-Poderoso não se agrada quando nós presumimos a alterar o que Ele designou para a Sua glória na Igreja. De acordo com a estrita obediência Antiga Aliança foi ordenado, mesmo para baixo para a diferença entre pedra e tijolo sem cortes para o Seu altar (Êxodo 20:25; Isaías 65: 3). Nadabe e Abiú foram severamente julgado por oferecer "fogo estranho perante o Senhor, que ele lhes ordenou não" (Levítico 10: 1). Sob a Nova Aliança, o Velho é cumprida em Cristo, ea obrigação de obediência estrita permanece (Mateus 5: 17-19). Ele é o mesmo Deus, que é ofendido em nossas partidas de Sua vontade revelada.
Nesta época de mudança, quando muitas das pessoas do Senhor parecem confusos, somos sábios se escolhermos as velhas formas prescritas nas Escrituras e trilhados pelos nossos antepassados ​​piedosos: "Assim diz o SENHOR: Ponde-vos nos caminhos, e vede, e perguntar pelas veredas antigas, qual é o bom caminho, e andai por ele; e achareis descanso para as vossas almas "(Jeremias 6:16).
5. Este movimento modernizador tende a remover a reverência da adoração de Deus. O efeito das mudanças é "clarear e iluminar" os serviços. Assim que os estrangeiros podem se sentir mais em casa com a gente. Então, esperamos, o raciocínio, eles vão ouvir o nosso evangelho. É de construção de pontes para encontrá-los no meio do caminho. No entanto, a Escritura condena "vai adorar" (Colossenses 2:23) -worship do tipo que quer (por qualquer motivo, mesmo os mais dignos). Quando Deus é desobedecido, o Seu Espírito Santo é entristecido. Isto significa que a retirada da Sua presença e poder. Tal estado significa que somos desprovidos, os órfãos (João 16:18) -sem ajuda e conforto. Certamente, se o sentido de inspiradora a presença de Deus se perde, onde está o ganho? Então tudo está perdido. Deus- formas humilhantes, alegre e cativante na assembléia solene vai trazer-nos a isso. Quando o Senhor nos deixa a nós mesmos, a jocosidade centrada no homem, em seguida, substitui reverência. Nada espiritual e de poupança pode ser esperado em seguida.
Considere estas palavras: "Deus é sobremodo tremendo na assembléia dos santos, e para ser reverenciado por todos os que estão ao seu redor" (Salmo 89: 7). Eles nos chamam para garantir que a adoração na casa de Deus envolve a máxima reverência e santificação do Seu nome. Isso deve ser garantido e preservado a todo custo. Nada é mais importante para Deus do que o Seu culto; nada pode ser mais importante para nós do que o sentido da Sua presença senti-ea reverência que ele traz.
Considere, também, o exemplo que Paulo dá em 1 Coríntios 14: 24,25. Aqui, ele exemplos o caso de uma pessoa de fora participando de uma assembléia para o culto: "lá vêm em um que não crê." Ele encontra o serviço corretamente ordenada, bem como a presença eo poder de Deus lá. A Palavra é divinamente abençoada para a sua alma: "e, portanto, são os segredos do seu coração se tornam manifestos; e assim caindo em seu rosto, adorará a Deus, declarando que Deus está em você de uma verdade "Este testemunho é tudo:. Deus está em você de uma verdade. Será esse o fruto em conjuntos com a nova parafernália? Longe de ser feito para se sentir confortável, os pecadores devem ser feitas para se sentir profundamente desconfortável, até que se arrependam, são convertidos, e vir a saber "o Deus vivo e verdadeiro" (1 Tessalonicenses 1: 9).
6. Este clamor por mudança pode muito bem ser um sintoma de algo mais.
Pode ser um sinal de que Deus está partindo de nós e deixando-nos a nossa própria insensatez. Nos dias de Eli, os israelitas teve a ideia inovadora de levar a Arca da Aliança com eles para a batalha contra os filisteus. Eles negligenciaram o fato de que a causa de suas derrotas recentes estava em outro lugar. Esta nova tática não lhes fez nenhuma boa (1 Samuel 4). A única cura era arrependimento, e um retorno a Deus (1 Samuel 7). Eles cometeram o erro de responder à necessidade em vez de retornar a Deus.
Longe de modernização dos nossos serviços, não deveríamos, em vez de luto em eles- luto sobre nossa conformidade pecaminoso para o mundo, a nossa falta de oração, a nossa desobediência a Deus, nossa incredulidade? Não mudar na Igreja, mas mudar em nós mesmos deve ser a resposta para o inimigo vem como uma inundação.
A diferença entre nós e as gerações anteriores emerge neste momento. Considerando que na desesperada dias resort à modernização, eles recorreram a humilhação diante de Deus e perguntando oração. Sua preocupação era, não tanto evangelho para o sucesso, mas por que o Senhor parecia ter se afastou deles e como eles poderiam garantir seu retorno. A nossa é nenhum dia de brilhante confiança de novas maneiras. Em vez disso, que Deus nos humilhar diante dEle, e nos incitar a buscar a Sua face, ter confiança somente nas coisas que Ele nos deu para fazer na Igreja. Sua bênção é prometida para aqueles que o honram.
7. Por fim, mantendo-se os velhos caminhos não convida declínio ou extinção
Nós precisamos fazer a pergunta: Onde é que o crescimento da igreja vem? A resposta se: Somente a partir de cima (João 03:27; 1 Coríntios 3: 6). É totalmente dependente favor ea bênção de Deus. Se Ele nega que (e Ele pode, por razões que não refletem em cima de nós, como "bem sucedido" foi Enoque, Noé, Isaías, Jeremias?), Nenhuma quantidade de modernização pode alterar isso. Se Ele tem o prazer de dar o crescimento que almejamos, nenhuma quantidade de manter a bíblica, maneiras comprovadas vai impedi-lo. Como alguém já disse, com razão: "Vamos ganhar mais de fidelidade a Cristo e Seus instituições do que jamais perderá. O cômputo final ainda está por vir (1 Pedro 5: 4) ".
Podemos recorrer aos fatos para provar isso. Algumas das maiores igrejas do Reino Unido são aqueles que são "atrás dos tempos" quando se trata de adorar. O Metropolitan Tabernacle em Londres, lotando as congregações para ouvir a pregação da Versão Autorizada, e onde seu culto é marcado pela ausência das coisas aparentemente tão necessárias nos dias de hoje. Seu ministro, Dr. Mestres, argumentou contra tais coisas, apelando para formas bíblicas na igreja, não muito longe de seu antecessor mais ilustre, CH Spurgeon.
Outro exemplo é Heath Igreja Evangélica, Cardiff no País de Gales, onde centenas se reúnem. O ministro, o Sr. W. Vernon Higham, utiliza a Versão Autorizada e Christian Hymns. Sr. Higham é um hino próprio escritor altamente estimado, uma série de cujas composições são em hinários atualmente em uso. Ele tem, talvez, um direito exclusivo de falar-nos sobre essas questões. Recentemente, ele escreveu estas palavras incisivas:
"Vivemos em tempos onde houve uma terrível mudança na adoração a Deus. Em vez de nossa adoração, e em especial os nossos hinos, sendo centrada em Deus eles se tornaram centrada no homem. Esta mudança levou-nos numa trajectória descendente, enganando a muitos a pensar que é necessário comprometer a fim de atrair. Será que estamos esquecendo a soberania de Deus, e que Seu braço não está encolhida, para que não possa salvar? É necessário em todos os aspectos de nossa fé cristã e nossa vida ter Deus e Sua glória em vista. "
Poderíamos citar muitas outras igrejas como exemplos dignos também. Em sendo específico como este, não implicaria necessariamente que concordar com tudo o que a igreja faz em particular. Estes são simplesmente fatos para apoiar e ilustram este ponto: que, para manter os padrões bíblicos na Igreja não significa necessariamente pequenas congregações e irrelevância.
Movimentos não acontecem por acaso. Eles são o resultado de uma forma de pensar. Afirmo que o pensamento por trás deste clamor para modernizar a igreja está distorcida da Escritura e cega em perspectiva. É bem intencionada, mas equivocada. Manifesta-se, não é tanto uma paixão pela Igreja como uma paixão para o crescimento da igreja, que é uma coisa diferente. A obra de Deus deve ser feito no caminho de Deus. Calvin estava certo quando disse: ". A excelência da Igreja não consiste na multidão, mas na pureza" Vamos, então, manter o caminho estreito da obediência, e deixar todas as consequências com Deus.

"Ora, àquele que é poderoso para fazer tudo muito mais abundantemente além daquilo que pedimos ou pensamos, segundo o poder que em nós opera, a ele seja a glória na igreja, por Jesus Cristo, em todas as idades, mundo sem fim. Amém. "(Efésios 3: 20,21).

fonte www.bibleaguetrsut.org

THOMAS FULLER

                              
                                      THOMAS FULLER


"Os filhos de Deus são imortais, enquanto seu Pai tem qualquer coisa para que eles façam na terra." (Thomas Fuller 16081661).
Thomas Fuller, ordenado em 1630 como pároco da Igreja de St. Benet, Cambridge, realizou uma série de posts no ministério em tempos turbulentos, e era um autor prolífico. Um de seus períodos mais notáveis ​​mais longas e talvez do ministério foi na Abadia de Waltham de 16491658. Este foi seguido por seu último post como Reitor da Cranford, Middlesex.
EXEMPLOS DAS OBRAS DE THOMAS FULLER, QUE ILUSTRAM A CITAÇÃO ACIMA
A Igreja História da Grã-Bretanha a partir do nascimento de Jesus Cristo até o ano de 1648, esforçou-se por Thomas Fuller Londres 1655, Livro II, Cent. viii.18. Este extracto é no volume 1, p.178, da edição de três volumes publicado em Londres por William Tegg em 1868.
"Uma das últimas coisas que ele (Bede) fez, foi a tradução do Evangelho de São João para o Inglês. Quando a morte apreendidos com ele, um de seus estudiosos devotos, a quem ele usou para seu secretário, ou Amanuensis, queixou-se, ". O meu amado mestre, resta ainda uma frase não escrita" "Escrevê-lo em seguida, rapidamente", respondeu Bede: e convocando todos seus espíritos juntos (como a última chama de uma vela sair) ele ditada-lo, e expirou. Assim, os filhos de Deus são imortais, enquanto que seu Pai tem nada para se fazer na terra; e da morte, que besta, não pode superar e matá-los, até que primeiro eles acabarem o seu testemunho:. que fez, como bichos, eles voluntariamente morrer, quando seu web está terminado, e estão confortavelmente sepultados em seus próprios esforços "
Também disponível em Palavras sábias e conselhos pitorescas de Thomas Fuller, seleccionada e organizada, com um breve resumo da vida do autor, por Augusto Jessop Oxford: Clarendon Press 1892 página 27
Thomas Fuller: seleções: com ensaios de Charles Lamb, Leslie Stephen, & c ./ com uma introdução e notas por EK Broadus Oxford:. Clarendon Press, 1928 A série de Clarendon da literatura Inglês, página 120
bons pensamentos nos maus momentos por Thomas Fuller, 1645, Observações escritura, 10.
Este extracto é em "pensamentos de Fuller", editado por AR Waller, Londres, Grant Richards 1902. A série Vida Religiosa, página 27. (Este volume é uma edição de uma coleção no início de três das obras de Fuller: bons pensamentos em Bad Times, Bons pensamentos em vezes pior, Mixt Contemplações em tempos melhores).
"Senhor, eu li das duas testemunhas. "E, quando acabarem o seu testemunho, a besta que sobe do abismo lhes fará guerra contra eles, e os vencerá, e os matará." (Apocalipse 11 v.7) Eles podiam não ser morto enquanto eles estavam fazendo, mas quando eles tinham feito seu trabalho; durante o seu emprego eram invencíveis. Não há melhor armadura contra os dardos da morte do que ser ocupou em teu serviço. Por que estás tão pesado, ó minha alma? Sem maldade do homem pode antecipar o meu fim de um minuto, enquanto o meu Criador tem nenhum trabalho para mim fazer. E quando toda a minha tarefa diária acabou, por que eu deveria rancor depois de ir para a cama? "
Também disponível em Palavras sábias e conselhos pitorescas de Thomas Fuller, seleccionada e organizada, com um breve resumo da vida do autor, por Augusto Jessop, Oxford: Clarendon Press 1892, página 243.
A vida fora da morte. Um sermão de Thomas Fuller, primeiro pregado em 1652, impresso pela primeira vez em 1655. O extrato abaixo é nos sermões coletados de Thomas Fuller, 16311659 editados por JE Bailey, completados por WEA Axon Londres 1891. Volume II página 384.
"Em segundo lugar, queres viver mais tempo para fazer Deus mais serviço na tua vocação; mas se vês o dia de teu dissolução de se aproximar, saber que fizeste tudo o que Deus tem projetado para ser executada por ti. As testemunhas "quando eles tinham terminado o seu testemunho, a besta do abismo fez guerra contra eles, ultrapassá-los e matá-los." (Apocalipse 11, v.7)
Embora qualquer parte, porção, parcela ou partícula de seu testemunho ficou inacabado, se fosse para o "iota" menos do mesmo, eles estavam inconquistável por morte e seguro dos dardos dos mesmos. Conhecer de maneira semelhante, enquanto tens alguma coisa para fazer, não morrerás, e se seizeth morte de ti, é um sinal evidente de que tu terminou o que Deus planejou para ser atendido por ti neste mundo.
Venerável Bede tinha quase terminado a tradução do Evangelho de São João para o Inglês, quando ele desmaiou de distância, que seu secretário de ver, que escreveu para ele (como Baruch para Jeremias) gritou: "Ó mestre, não falto ainda dois ou três versos para ser traduzido ", hereat o velho reviveu, recrutou os seus espíritos, e reuniu em toda a força de sua mente juntos, estendeu para o acabamento do mesmo, e assim expirou. Assegurar-te, tu da mesma maneira ser imortal, desde que não resta qualquer parte do teu testemunho não tenha sido cumprida por ti. "
Abel Redivivus ou Os mortos ainda falando: As vidas e mortes dos teólogos modernos, escritos por vários contribuintes e editadas em um único volume por Thomas Fuller, Londres: Impresso por Thomas Brudenell para John Stafford habitando em Adro da noiva, perto da rua Fleet, 1651, pp.146152. A Vida e Morte de Paulus Fagius (um dos reformadores alemães, 15041550).
"Antes de sua partida (da Isna [Isny]), a cidade foi muito aflito com a peste; e ele entender que muitos dos mais ricos dos habitantes destinados a abandonar o local, sem ter qualquer respeito ou cuidado de como trabalhou com a doença, e que as casas de como foram infectados, foram ordenados a ser fechada pelo magistrado , ele abertamente admoestou-los, seja para continuar na cidade, ou liberal de dar suas esmolas antes da sua partida, para o alívio dos que estavam doentes. E durante o tempo da visita, ele mesmo em pessoa ia visitar os que estavam enfermos; ele iria administrar o conforto espiritual para eles, ore por eles, e estaria presente com eles dia e noite, e ainda pela providência de Deus, ele permaneceu intocada, e foi preservado pela mão de Deus todo-poderoso. "
Também disponível em CH Spurgeon, Treasury of David, Volume 2, página 101, comentando o Salmo 91, versículo 7 "Mil cairão ao teu lado, e dez mil à tua direita; mas não chegará a ti. "
A Vida e Morte de John Reynolds (15491607), pp. 477498
"Nascido em Pinhoe, Devon, ele foi educado em Corpus Christi College, Oxford, onde ele foi eleito membro em 1568. Em Oxford," totalmente viciado "se ao estudo da Bíblia, e veio a fé salvadora em Cristo. A distinta carreira culminou com sua nomeação como presidente do seu antigo colégio, em 1598, e uma reputação como "o homem mais culto, na Inglaterra."
Ficar "em Londres para supervisionar a Imprensa e corrigir as provas, enquanto caminhava em Finsbury Campos, no ano de Nosso Senhor 1602, uma seta abatido propositadamente por alguns Jesuited papista ou ao acaso eu não sei, caiu sobre o seu peito, mas entrou não o seu corpo, não tanto por causa do serviço fraco de seu vestido levantou diante dele em dobras, como o "escudo da fé" forte, que todo aquele que tem sobre ele, não precisam "temer nenhum espanto noturno, nem a seta que voa de dia. " Salmo 91: 5. "(Abel Redivivus pp.485486). Assim, Deus o preservou para a maior obra de sua vida.
Ele foi o principal representante da causa Puritana na Conferência de Hampton Court (1604), onde, como sempre, seu caráter elevado e aprendizagem ampla ganhou-lhe o respeito até mesmo de seus adversários teológicos. Foi como resultado de sua sugestão de que a Conferência decidiu que uma nova tradução da Bíblia deve estar preparado. John Reynolds pode, portanto, ser justamente considerado como Ele foi dado um papel de destaque nessa tarefa grandiosa, sentado na empresa que traduziu os Profetas "O pai da Versão Autorizada."; eles se encontraram uma vez por semana em seus alojamentos em Corpus Christi College. Ele era então gravemente doente com o consumo, mas, como Bede quase 900 anos antes, ele perseverou com a obra que Deus lhe dera para fazer, e inspirou os estudiosos reunidos em torno dele para completá-lo. Ele morreu em 21 de maio de 1607, antes da Versão Autorizada foi publicado, mas não antes de ter terminado a sua contribuição vital para ele. Deus o havia preservado através da violência e da doença até o grande trabalho que ele tinha sido chamado para iniciar estava em segurança no seu caminho para a conclusão. "
Esta informação sobre Reynolds também está disponível em Gustavus S. Paine, os homens por trás do King James Version 1959, republicado em 1977 em brochura pela Baker Book House, Grand Rapids, Michigan, pp. 22, 26. Paine cita a maioria das palavras de Fuller que citei acima.
ALGUNS OUTROS EXEMPLOS QUE ILUSTRAM O MESMO VERDADE
William Tyndale (1494? 1536)
No exílio no continente Tyndale traduziu o Novo Testamento e uma grande parte do Antigo Testamento para o Inglês. Sua obra, especialmente a sua versão final do Novo Testamento, contém muito que finalmente passou inalterada na Versão Autorizada. Em 1535 ele foi preso em Vilvorde, perto de Bruxelas, e queimado na fogueira em 1536. Suas últimas palavras foram: "Senhor, abre os olhos do Rei da Inglaterra." Não demorou muito para que esta oração foi respondida; a primeira Bíblia em Inglês para suportar a autorização do Rei foi impresso em 1537, e em 05 de setembro de 1538 o rei Henrique VIII emitiu uma proclamação real que uma Bíblia Inglês ser colocado em cada igreja na terra.
Thomas Cranmer (14891556)
Arcebispo de Canterbury, queimado na fogueira em Oxford em 21 de março de 1556, durante o reinado da rainha Mary, realização duração de Cranmer foi o Livro de Oração Comum. Sua segunda versão deste grande trabalho em 1552 foi finalmente revisto com apenas pequenas alterações em 1662, e, como tal, continua a ser um livro de culto oficial da Igreja da Inglaterra; ele ainda está em uso, embora não na medida em que era antes de 1965, quando formas alternativas foram autorizados pela primeira vez. Como ele enfrentou Cranmer morte pode naturalmente ter sentido que o trabalho talvez de sua vida foi desperdiçada, a menos que o Senhor concedeu-lhe uma visão do futuro em que, tão logo breve reinado da rainha Mary acabou, sua liturgia iria fornecer um veículo para a sua nação de adorar durante séculos por vir.
John Newton e William Wilberforce
John Newton (17251807), um comerciante de escravos, foi maravilhosamente convertido, e exerceu um ministério muito fecundo na Igreja da Inglaterra, assim como escrever algumas grandes hinos que têm resistido ao teste do tempo. Com sua experiência passada, ele foi capaz de ajudar a William Wilberforce em sua campanha para acabar com o tráfego terrível em que ele já tinha sido envolvido. Em 1807, ano da sua morte, o comércio foi interrompido por lei. No entanto, os escravos existentes ainda não foram libertados, e Wilberforce continuou a sua campanha, até que, pouco antes de sua própria morte, em 1833, o Parlamento aboliu a escravatura em todo o Império Britânico.
Do Dr. John Ryland Hino
John Ryland DD (17531825) foi um pastor batista, pastoreando igrejas em Nottingham e Bristol, onde também foi presidente do Colégio Batista desde 1794 até sua morte. Ele escreveu quase uma centena de hinos, e estes foram reunidos e publicados em 1863 por D. Sedgwick. A seguir, uma expressa maravilhosamente o tema deste artigo.
Soberano dos céus, sempre gracioso, sempre sábias;
Todos os meus tempos estão nas tuas mãos. Todos os eventos no teu comando.
Seu decreto que formou a terra, fixo o meu primeiro e segundo nascimento; Os pais, terra natal, e tempo, todos os nomeados foram por Ele.
Ele que me formou desde o ventre, Ele deve guiar-me para o túmulo: Todos os meus tempos deve sempre ser ordenado por seu decreto sábio.
tempos de doença, momentos de saúde, tempos de penúria e de riqueza, momentos de provação e do sofrimento,
tempos de triunfo e alívio,
poder Tempos do tentador para provar, Times de provar o amor do Salvador, Tudo tem que vir, e por último, e no final, como deve agradar meu amigo celestial.
Pragas e morte em torno de mim voar; Até que Ele manda, eu não posso morrer,
Nem um único eixo pode bater,

até que o Deus de amor aprouver.

BEM AVENTURADO OS JUSTOS


       A BEM-AVENTURANÇA ETERNA DOS JUSTOS


Em primeiro lugar, gostaríamos de enfatizar o fato bíblico de que a bem-aventurança, ou em outras palavras, a verdadeira felicidade, pertence aos justos e apenas a estes. Ele não pode ser a sorte dos ímpios, pois para eles, como Isaías insiste uma e outra vez, não há paz (48:22; 57 21); e paz com Deus (Romanos 5: 1), acompanhada pela paz de Deus (Filipenses 4: 7) é uma parte importante do bem-aventurança. Ressaltamos, ainda, que o termo "justo" não se aplica ao homem meramente natural, que é dado para contrastando-se com o exterior ímpios, e particularmente após o seu desempenho do que ele poderia considerar como uma boa ação. Ele pode chamar a si mesmo, e ser chamado, um cristão, mas se sua pretensão de ser justo deriva de uma sensação de que o seu estado de coração e sua boa ação demonstrar seu estado de ser bom, ele está construindo sobre uma base de areia.
O HOMEM NATURAL
A afirmação bíblica olha o homem natural com clareza e firmeza no rosto, "Não há justo, nem sequer um" (Romanos 3:10). Quanto mais ele se sente para ser bom, mais ele desqualifica-se para a recepção de salvação de Deus. É o pecador, não os justos, a quem Cristo chama ao arrependimento (Mateus 09:13; Marcos 2:17; Lucas 5:32). É o ímpio, não os justos, a quem Deus justifica (Romanos 4: 5), ou declara justos. Mas Ele pronuncia seu veredicto sobre o fundamento de que "Jesus Cristo, o Justo", "Advogado junto ao Pai" do crente (1 João 2: 1) tem trabalhado de uma justiça que Deus na graça calcula para a conta do pecador que crê em Seu Filho. De fato, o próprio Cristo é a justiça (1 Coríntios 01:30). O crente está diante de Deus no seu santo céu em toda a aceitação da pessoa e da obra de Cristo Jesus. Esta é a razão da sua bem-aventurança; e por causa disso, ele por sua vez abençoa "o Deus e Pai de nosso Senhor Jesus Cristo", que o abençoou "com todas as bênçãos espirituais nos lugares celestiais em Cristo" (Efésios 1: 3).
BEM-AVENTURANÇA
Em segundo lugar ressaltamos que a bem-aventurança é "eterna". No uso comum, sem dúvida, a expressão "bem-aventurança eterna" apontaria particularmente para o futuro, para que a perfeição da felicidade que aguarda o glorificado em "Kingdom vir." Por sua própria natureza, de fato, a palavra "eterno" fala de eternidade e imutabilidade. É preciso "bem-aventurança" fora do contexto único e breve de tempo, e até mesmo o espaço, e evidencia a sua existência antes do tempo, com o tempo, e quando o tempo não será mais.
Palavras prender-se a nós lidar com tal assunto. As limitações do pensamento humano todos, mas envolver os mortais comuns - pode haver exceções - a contemplar a própria eternidade como passado, presente e futuro, e, portanto, nossas demonstrações tendem a se tornar auto-contraditório. O homem natural, convencido do fato inescapável de que a vida terrena é passageira rápido, e que "alado carruagem de tempo" está "correndo próximo", olha para o futuro em termos de "desertos da vasta eternidade." Não é assim que o homem espiritual. "Desertos" é a última palavra para a primavera para os lábios, em tal contexto, pois Deus é a sua "casa eterna." Mas vamos manter estritamente ao uso do Novo Testamento.
BÊNÇÃOS
Falamos direito biblicamente de bênçãos que pertencem ao justo diante do mundo e do tempo teve existência. "Ele (o Pai) também nos elegeu nele (o Filho)", diz o apóstolo, "antes da fundação do mundo, para que fôssemos santos e irrepreensíveis diante dele em amor (Efésios 1: 4). Ele acrescenta muito mais. Deixe um poeta Inglês assumir a tensão:
Bênçãos abundam onde quer que ele reina,
O prisioneiro salta para perder suas correntes,
o descanso eterno achado cansado,
E todos os filhos de carência são abençoados.
Watts fala com a verdadeira visão e com aptidão poética. A vida cristã, na sua origem sem data, em seu aspecto tempo, e nas suas "delícias perpetuamente" na mão direita de Deus, é pré-eminentemente uma vida abençoada. Ele é incomparável. Na terra que conhece os seus sofrimentos, tentações, angústias e perseguições, suas dúvidas e seus medos; mas "plenitude de alegria" é o seu resultado e seu objetivo. Ahead é o "prêmio ou soberana vocação de Deus em Cristo Jesus" (Filipenses 3:14). Já a nossa pátria está nos céus (Filipenses 3:20). Aqui e agora estamos vindo ". Ao monte Sião e à cidade do Deus vivo, da Jerusalém celeste" Nós manter a empresa com miríades de anjos e primogênito-ones, escritos no céu (Hebreus 12: 22-23). À frente encontram-se as portas de pérolas. A cidade de quatro quadrados já está dentro da visão do espírito. Pouco haverá os arroubos eternos e regozijo. A previsão cf o que ainda está a ser, ainda hoje emociona a alma expectante. A música não tão distante auscultação dos sinos dourados do nosso glorioso Sumo Sacerdote pega o ouvido no meio das milhares de vozes da terra. Nós ouvimos a Sua voz: "Eis que venho sem demora (em breve." Nós respondemos: "Mesmo assim, vem, Senhor Jesus."
CONTEÚDO GLORIOSO
Bem-aventurança tem gloriosa conteúdo Quem não gostaria de compartilhá-lo no dia em que rapidamente se aproxima? E, no entanto, o fato é que a nenhum deles, mas os justos são tais eventos, e é essa empresa, desejável. Para o homem ímpio, que despreza a bem-aventurança cristã na Terra, a felicidade ea sociedade e as atividades do céu seria doloroso além de expressão. Cada homem vai para "seu lugar", o lugar para o qual ele está equipado e que é montado para ele. "Dizei aos justos que tudo estará bem com ele ... Ai do ímpio! . ele deve estar mal com ele ", disse Então Isaías (3: 10,11), e para estas frases solenes de felicidade e ai vamos todos dizer" Amém ".
FUTURO
Fixamos a nossa atenção principal neste momento no futuro eo futuro da bem-aventurança dos justos, e notamos, em primeiro lugar, que o seu bem-aventurança é de e para o Pai. "Vinde, benditos de meu Pai" (Mateus 25:34). Foi Ele quem enviou o seu Filho unigênito ao mundo para que vivamos por Ele. O Filho de Deus na Sua segunda vinda (de ter realizado uma obra redentora perfeito em Sua primeira vinda) define as ovelhas à sua direita, e então fala para eles a palavra que Ele tão freqüentemente usado durante Seu ministério na terra - ". VENHA"
Ele cumpriu em seu nome toda boa vontade de Seu Pai. Eles pela graça ter acreditado Seu evangelho para a salvação de suas almas. Eles não são daqueles que têm atraído para a perdição (Hebreus 10:39). Sua recompensa é um bem-vindo eterna e uma herança eterna, incorruptível, e imaculada, e imarcescível. Para isso, eles foram mantidos, e fez pronta para ser revelada no último tempo (1 Pedro 1: 4,5). E no exato momento em que ouvir "a voz de boas-vindas" e entrar em posse de sua herança, o seu Senhor lembra-lhes que o reino que eles recebem tem sido preparado para eles antes da fundação do mundo (Mateus 25:34). Um arco-íris maravilhoso de bênção se estende por que o profeta Miquéias descreve como "os dias da eternidade" (5: 2. Marg). O Senhor, por quem todas as bênçãos para os justos, é bem chamado de "Rei dos séculos" ou "da eternidade" ("Rei eterno" 1 Timóteo 1:17).
ATENÇÃO
Aqui parece bem para atacar uma nota de cautela e de advertência. Há alguns que, na manipulação de Mateus, capítulo 25 (o capítulo ovinos e caprinos) argumentam que as ovelhas são aceitos como justos por Deus na terra do mérito de suas boas obras - a doação de comida e bebida para os indigentes, o recebimento do estrangeiro, a vestir os nus, visitar o do doente, a cuidar do prisioneiro. Mas notamos que, quando recebem o bem-feito para essas coisas o seu Senhor, eles reivindicar nenhum mérito vencidos (versos 37-39). Pelo contrário, as cabras afirmam ter servido ao Senhor por essas obras. Deve ser bem entendido que, enquanto crentes trazer "boas obras" para a glória de Deus, a sua salvação é o chão, não a consequência de, essas obras; a raiz, não o fruto. A seqüência é feita de cristal claro em muitas escrituras. Nós citar apenas um: "Porque pela graça sois salvos, mediante a fé ... não de obras ... criado para boas obras, as quais Deus antes ordenado que andássemos nelas" (Efésios 2: 8-10).
RECOMPENSADO
Na misericórdia abundante de Deus as boas obras dos justos serão recompensados. "Deus não é injusto para se esquecer do vosso trabalho e do amor que tendes mostrou para com o seu nome" (Hebreus 6:10), e para além de qualquer dúvida que pode ser contabilizada uma parte da bem-aventurança. Mas é o que o Senhor tem feito por eles, e não o que eles têm feito para o seu Senhor, que constitui a felicidade. A nota eterna de alegria é executado, "Ele (o Senhor) fez bem todas as coisas." "É a Ele que nos amou e nos lavou de nossos pecados no seu próprio sangue" que a música ressoa através das muitas moradas. Bem-aventurança é toda Dele: "Porque dele, e por meio dele e para ele são todas as coisas: a quem seja a glória para sempre. Amém "(Romanos 11:36).
ONDE ELE ESTÁ
Um aspecto da bem-aventurança eterna dos justos - um aspecto, talvez, o que os move mais do que qualquer outro, é que eles vão estar com o seu Senhor, onde Ele é. É uma bênção garantida: "... para que onde eu estou, estejais vós também" (João 14: 3). O testemunho apostólico soa a mesma nota assegurada: "Assim, estaremos para sempre com o Senhor" (1 Tessalonicenses 4:17). Daí conforto do crente, quando a morte invade a família cristã. A habilidade de cantar,
"Para sempre com o Senhor!"
Amém, que assim seja!
A vida dos mortos
está na palavra,
'Tis imortalidade.
é a prova do conforto. O cristão tem "canções durante a noite." O Livro de Jó nos informa que Deus "dá-los", ea experiência confirma a boa palavra (35:10). Se estar na terra sem a visão física de Cristo ", mas crendo," é capaz de produzir "alegria indizível e cheia de glória" como uma experiência presente - e os crentes fazem, por vezes, desfrutar de tais vôos de êxtase - o que vai ser a medida da alegria de vê-Lo face a face e de saber mesmo como somos conhecidos?
O que será habitar acima,
e com o Senhor da Glória reinar?
cantou Joseph Swain, o pregador batista do século 18, de Walworth. Sabiamente, ele não tenta uma resposta à sua própria consulta, exceto nas palavras, No coração pode dizer, sem língua explicar, Que alegria sarja "estar com Cristo para reinar.
Nem pode qualquer cristão que vive fornecer uma resposta mais adequada. No entanto, sabemos que Deus revelou algo para nós pelo Seu Espírito do comprimento e largura, a altura ea profundidade, de felicidade eterna (1 Coríntios 2:10), apesar do fato de que os olhos não viram, nem ouvidos ouviram, nem o coração do homem imaginou o que Deus preparou para os que o amam. A questão toda pertence "as coisas profundas de Deus" eo Espírito de Deus é o único competente para busca-lo.
ILUSTRAÇÃO

O cristão tem uma ilustração impressionante do fato de que sua bem-aventurança é eterna, na expressão "vida eterna". Tomamos as palavras em nossos lábios levianamente o suficiente, mas o seu conteúdo é indescritivelmente grande. "Eu dou a minha ovelha vida eterna", disse o Bom Pastor para os inimigos do crente (João 10:28). Como lento é o crente, muitas vezes, levar a verdade bendita casa para si mesmo! Nós vivemos, a maioria de nós, em "uma taxa de morrer pobre," lamentavelmente indiferente às maravilhas da vida dentro de nossas almas. Demasiada nos conformamos com a descrição de Bunyan do homem com o muckrake que "poderia olhar de jeito nenhum, mas para baixo," alegremente inconscientes (à sua maneira) da coroa celestial realizada por "um sobre a cabeça." Mesmo o melhor dos homens vivem mas em "gastar dinheiro", sobre a antecipação da glória, sobre a misericórdia-gotas de graça. Em breve, estaremos no "país melhor, isto é, a celestial." Como Artífice e Construtor, Deus preparou para os justos "uma cidade com fundações." Se não fosse assim, ele teria vergonha de ser chamado de nosso Deus (Hebreus 11:16). De nossa parte, vamos confessar seu nome sem vergonha, e acho que toda a alegria se sermos considerados dignos de sofrer vergonha presente para o seu nome (Atos 5:41).
fonte www.bibleaguetrust.org