terça-feira, 28 de outubro de 2014

A CARTA DE PRIMEIRO JOÃO E COMENTARIO


                             A primeira carta de João 


                             


                             A primeira carta de João


Título:
1 João


Autor:
João


Data e Ocasião:
85-95 d.C.


Tema:
A Verdade Cristológica e a Conduta Cristã


Propósito:
Defender a cristologia (a fé em Jesus Cristo tal como Ele é - verdadeiro homem e verdadeiro Deus) da heresia gnóstica (cristologia deturpada que negava total ou parcialmente as naturezas de Cristo) e, a moral (a conduta própria do cristão) da anomia dos gnósticos (que afirmava ser impossível às ações humanas prejudicar o relacionamento com o divino).


Estrutura:
I. Prefácio (1.1-4)
II. A Vida na Luz (1.5-2.29)
III. Viver como filhos de Deus, defendendo a fé cristã e as naturezas de Cristo (3.1-5.13)
IV. Conclusão: A Confiança do Cristão (5.14-21)



 Expressão doutrinária que sintentiza o fato de a Pessoa de Jesus Cristo ser plenamente divina e humana.

Quando aceitamos a Cristo como nosso Salvador, nos tornamos filhos de Deus e passamos a usufruir a vida eterna pela graça dEle (Jo 5.24).
Todos os que têm essa confiança, reconhecem a Jesus como seu Senhor e Salvador, amam a Deus, obedecem aos seus mandamentos e não vivem a pecar de forma consciente e voluntária (Gl 2.20). Estas são algumas das facetas da vida cristã, abordadas na primeira carta de João (1 Jo 5.13). Todo cristão, ao ler esta carta, se sente amado por Deus e seguro pela obra da eterna redenção consumada por Jesus Cristo (2 Co 5.17).

 ENTENDENDO A CARTA DE JOÃO, O APÓSTOLO

Diferente das epístolas escritas pelo apóstolo Paulo, a primeira carta de João não começa nem termina com saudações. Ela também se distingue pelo conteúdo, enriquecido pelas experiências espirituais do autor (1 Jo 1.1-4). Não poderia ser diferente, uma vez que foram três anos de ininterrupta convivência e aprendizagem ministerial com o Mestre. Isto a torna um dos livros da Bíblia mais instrutivos e edificantes para o cristão.


 CONHECENDO O AUTOR DA CARTA

João, filho de Zebedeu. É o mesmo que escreveu o Evangelho que leva o seu nome (Jo 20.20; comparar 1 Jo 1.1; 5.7 com Jo 1.1), a epístola que vamos estudar neste trimestre e o livro de Apocalipse. Dentre os discípulos de Jesus, foi o mais íntimo (Jo 20.2; 21.20). Algumas peculiaridades comprovam este fato:
a) João compartilhou dos momentos mais difíceis de Jesus (Mc 14.33,34);
b) Foi o único dos discípulos que permaneceu, até ao fim, ao pé da cruz (Jo 19.25,26);
c) Três dias após o sepultamento do Mestre ele foi ao sepulcro em busca do corpo do seu amigo Jesus, que já não estava lá (20.2).
Por tudo isso, mais tarde, entende-se porque Paulo o considera como uma das colunas da igreja (Gl 2.9).

1. Um autor com uma característica singular. João consegue demonstrar em suas cartas que foi transformado pelo amor de Deus, o Pai (Jo 3.16), e de seu Filho, Jesus Cristo (Jo 15.13). O apóstolo reconhece no amor do Eterno pela humanidade a essência da vida cristã e do autêntico cristianismo. É isso que se espera ver no comportamento de todos os que foram alcançados pelo evangelho de Cristo Jesus (2 Jo 5,6).
A verdade de Deus deve ser dita sem rodeios, entretanto, é preciso fazê-lo com amor (Ef 4.15). Esta é outra característica singular de João, ele apresenta verdades incontestáveis e doutrinárias, mas sempre dosadas com amor. Motivado por este atributo de Deus, João mostra o resultado dos que desobedecem às Santas Escrituras (1 Jo 1.10; 2.11,28; 3.14b). Elas são como uma lâmpada através da qual o cristão enxerga e entende para onde está caminhando (Sl 119.105). Contudo, não basta ler e entender a Bíblia Sagrada, é necessário ser membro do Corpo de Cristo, a sua Igreja (Mt 16.18), e submeter-se ao seu pastor local para cuidar do seu crescimento e aperfeiçoamento espirituais (Ef 4.11-13).


A transformação radical experimentada por João e a quantidade de seus textos dedicada ao tema “amor” demonstram que esta é a principal virtude do cristão.

III. O PROPÓSITO DA CARTA DE JOÃO

Os escritos de João têm como propósito apresentar o Senhor Jesus Cristo como a manifestação do amor de Deus. Outro objetivo é fazer os irmãos saberem, com certeza, que os que crêem no nome do Filho de Deus, têm a vida eterna (1 Jo 5.13; Jo 1.12). Naqueles dias surgiram na grande cidade de Éfeso e região, área sobre a qual o apóstolo exercia seu ministério pastoral, muitos enganadores que, através de falsas doutrinas, intentavam induzir os crentes ao erro, razão pela qual João escreveu as três cartas (1 Jo 2.19,26; 3.2; 2 Jo v.7). Surgiram "anticristos" (1 Jo 2.18), mentirosos (2.22), e falsos profetas (4.1), contudo, João expôs a hipocrisia de todos esses e confirmou a fé dos autênticos crentes.
1. Erro concernente a Cristo. João acusa os hereges de afirmarem “ter” o Pai, mas negar o Filho (2.22-24). Eles ensinavam que Jesus era apenas um homem, filho natural de José e Maria. Em outras palavras, eles não criam em Cristo como o Deus encarnado. Não reconhecer a encarnação de Cristo é negar as profecias do Antigo Testamento e a mensagem do seu cumprimento em o Novo (Is 7.14; 9.6; Jo 1.1,14). Ao dizer que Jesus é o Cristo prometido, João está afirmando que Ele é o Deus encarnado cujo sacrifício resgatou-nos da maldição do pecado. Não considerar esse fato é negar a expiação por Cristo, o Filho de Deus (Is 53.4-10; Jo 4.25,26; 6.69; Mc 15.39). Inclusive, o apóstolo afirmou que a negação deste fato era uma das formas de identificar os “falsos espíritos” (1 Jo 4.3).
2. Auto-engano moral. Os princípios de comportamento e doutrina desses hereges eram totalmente enganosos, pois ensinavam que o corpo é apenas o invólucro do espírito, de maneira que seu comportamento não compromete o aspecto espiritual, ou seja, nada do que a pessoa faz através do corpo pode prejudicar o espírito. O apóstolo previne os cristãos contra este erro e ensina que quem comete pecado é do Diabo, porque o Adversário peca desde o princípio. Entretanto, ele também ensina que o Filho de Deus se manifestou para desfazer as obras do Diabo (3.8,9).
Ainda hoje há pessoas que se enganam com a falsa premissa de que Deus quer apenas o coração. Não só o apóstolo João, mas Paulo também lutou contra uma falsa doutrina semelhante. Ele nos adverte: o corpo é o templo do Espírito (1 Co 6.19; cf 1 Co 3.16), e seremos julgados por tudo o que fizermos por meio do corpo, bem ou mal (2 Co 5.10). A Bíblia adverte ainda que, para a vinda do Senhor, devemos manter irrepreensíveis espírito, alma e corpo (1 Ts 5.23).
Jesus com ênfase alertou uma mulher pecadora trazida à sua presença e um paralítico curado sobre “não pecar mais” (Jo 8.11; 5.14), demonstrando-nos que espera um santo viver de quem o aceita como Salvador. O apóstolo João destaca muito bem no capítulo 1, versículos 7 a 10 de sua primeira epístola, a correta atitude do crente em relação ao pecado. O crente não é impecável, mas ele pode triunfar e vencer o pecado, por Nosso Senhor Jesus Cristo (1 Jo 1.7,9; Rm 8.2; 6.12-14). “Meus filhinhos estas coisas vos escrevo, para que não pequeis: e se alguém pecar, temos um advogado para com o Pai, Jesus Cristo, o justo” (1 Jo 2.1).
3. A auto-exaltação espiritual. Esses heréticos a que se refere João se apresentavam como os homens mais entendidos nos mistérios de Deus e tentavam desviar os irmãos efésios das verdades divinas, com falsas revelações extraordinárias e antibíblicas (4.1-3). Como ocorreu no passado, nos dias atuais o espírito maligno do engano continua agindo através dos que se auto-intitulam concessionários de novas verdades doutrinárias, como se a Bíblia não contivesse tudo que o homem necessita para obter a sua salvação e viver uma vida plena em Cristo Jesus (Rm 5.20). Nestes seus últimos dias na terra, a Igreja deve estar atenta a esta investida satânica de falsas doutrinas (1 Tm 4.1,2; 2 Co 11.13-15; 2 Tm 3.1-5). Ela deve andar embasada somente na verdade que é a Palavra de Deus - as Sagradas Escrituras.O mais eficaz dos métodos de prevenção contra os falsos ensinos é uma sólida instrução bíblica em relação à Pessoa de Jesus Cristo e ao nosso comportamento como cristãos.

A visão panorâmica da presente lição realça a importância desta carta do apóstolo João que, como toda a Bíblia, é sempre atual. Ela vem ao encontro das necessidades da Igreja de todas as épocas, principalmente a do presente momento, que vem sendo atacada pela oferta de coisas terrenas, cujos valores são ilusórios e passageiros se comparados às riquezas espirituais e eternas que já temos recebido de Deus por meio de seu Filho. Cada cristão deve, além de estar em contato permanente com a Palavra de Deus - condição básica para manter-se fiel até a volta de Cristo -, permanecer na luz e cultivar o seu amor pelos irmãos.

"Teologia dos Escritos Joaninos"A teologia joanina, em essência, é cristológica. A pessoa de Jesus Cristo está no centro de tudo que o apóstolo escreve. Quer no Evangelho de João, com sua ênfase única na Palavra de vida em meio à controvérsia do cisma da Igreja, quer em Apocalipse, com suas visões doCristo exaltado (Ap 1.12-16) e de seu triunfo final, o principal objetivo do apóstolo é explicar a seus leitores quem Jesus é. Inevitavelmente, a tentativa de discutir a teologia dos escritos joaninos dividindo-os entre as categorias tradicionais da teologia sistemática (por exemplo, antropologia, soteriologia, pneumatologia, escatologia) gera algumas distorções, pois João não organizou seu material de acordo com essas linhas. Ao contrário, ele tinha um foco central, Jesus Cristo. Muito do que João escreveu a respeito de Jesus, em especial, no Evangelho e nas três epístolas, foi temperado por anos de reflexão e experiência cristã, mas Cristo está sempre no centro. Todavia, isso não quer dizer que João não fala nada sobre antropologia, soteriologia, pneumatologia ou escatologia. Isso só quer dizer que tudo que ele diz sobre esses tópicos e outros está quase sempre relacionado à sua ênfase cristológica" (HARRIS W. H. In ZUCK, R. B. (Ed.)Teologia do Novo Testamento. RJ: CPAD, 2008, p.187).
As expressões utilizadas por João no trato com as suas ovelhas - “Filhinhos” -, podem oferecer uma falsa impressão sobre esse homem, que foi considerado por Paulo como uma das colunas da Igreja (Gl 2.9). É possível que alguém o ache fleumático “por natureza” e, assim, pense que era fácil ser “amoroso”. Não obstante, não se pode perder de vista o fato indiscutível de que este mesmo homem, que é carinhosamente tratado pelos cristãos de “apóstolo do amor”, já foi chamado pelo próprio Senhor Jesus Cristo, juntamente com seu irmão Tiago, de “Filhos do Trovão” (Mc 3.17). No episódio narrado pelo evangelista Lucas, em que o Senhor e os seus discípulos estavam de viagem para Jerusalém, o caminho alternativo para encurtar a rota levava-os a passar justamente por Samaria (Lc 9.51-56). Devido à animosidade que havia entre os samaritanos e judeus, os discípulos que precederam o Senhor não foram recebidos. A reação dos “Filhos do Trovão” foi não somente intempestiva e arbitrária, como odiosa e vingativa: “Senhor, queres que digamos que desça fogo do céu e os consuma, como Elias também fez?” (Lc 9.54). Esse comportamento não se parece em nada com o João amoroso das epístolas. éa mesma pessoa, entretanto, há uma diferença: aquele era o João carnal, querendo fazer justiça com as próprias mãos, e o das epístolas é o homem que nasceu de novo e foi transformado pelo Senhor Jesus Cristo.


 Jesus, o Filho eterno de Deus


Expressões Parentais aplicadas ao Senhor Jesus
1) Filho
2) Unigênito
3) Primogênito


Identificação demonstrativa de que Ele é "igual a Deus" (Jo 5.18)
"Natureza, caracter e tipo" e "relacionamento exclusivo" (Jo 1.14)
"Primeiro em categoria" (Cl 1.15-19)



Filho Eterno de Deus: Expressão doutrinária que demostra o relacionamento eterno de Jesus com Deus, bem como a sua divindade.

Nesta lição, alguns aspectos doutrinários a respeito da divindade e da eternidade de Jesus Cristo serão destacados. O esclarecimento desse assunto foi importante para os nossos irmãos do primeiro século e consiste em doutrina relevante para os dias atuais. Seu conhecimento reforça a convicção do futuro da Igreja, pois é através de Jesus que fomos salvos e nos tornamos participantes da vida eterna.

I. O PROPÓSITO DO AUTOR DA EPÍSTOLA

João inicia sua primeira epístola tratando de sua responsabilidade em solidificar a convicção de seus leitores a respeito da eternidade de Jesus Cristo, o Filho de Deus. A Igreja, naquela época, sofria o ataque direto dos gnósticos que, em síntese, pregavam que Jesus era mais um dos salvadores do ser humano, e que Ele apenas tinha algo divino em seu ser. Eles ainda ensinavam que, pelo fato de Jesus ter nascido neste mundo de corrupção, seria impossível Ele ser Deus perfeitamente e, portanto, eterno. Paulo já havia prevenido a igreja em Colossos contra essa heresia (Cl 2.9; 1.19).
João é enfático ao afirmar que o eterno Filho de Deus, nosso Salvador, veio a este mundo através do nascimento (1 Jo 5.6; 4.1,2). Ele tornou-se humano, mas sem pecado e sem abrir mão da sua divindade (Mt 28.19), do seu poder (Mt 9.6), de sua onisciência (Mt 9.4) e do seu atributo de ser eterno (Rm 9.5).Jesus tornou-se humano, mas sem pecado e sem abrir mão da sua divindade, do seu poder, de sua onisciência e do seu atributo de ser eterno.

II. A VIDA ETERNA MANIFESTA EM CRISTO

João discorre sobre a eternidade de Jesus, reafirmando sua deidade e a vida eterna que Ele concede aos que lhe pertencem. Ele foi testemunha dos ensinos de Cristo (1 Jo 1.1-4), teve comunhão pessoal com Jesus e, por isso, possui idoneidade suficiente para expressar-se sobre a vida plena e atemporal do Filho de Deus. O apóstolo do amor refere-se à vida de Cristo na eternidade, antes da criação dos "mundos" e de todas as coisas que neles existem, incluindo o homem (Jo 1.1-4,14; cf. Hb 11.3). Entretanto, é bom lembrar que, uma vez que todos somos feituras de suas mãos, Jesus transcende toda e qualquer consideração de tempo que alguém tente fazer a seu respeito. Ele está acima da vida física e espiritual (Cl 1.16).
As palavras de João - "no princípio era o verbo" -, no início de seu Evangelho, referem-se a Cristo, que é a Palavra de Deus manifesta (Jo 1.1). Elas conduzem o leitor ao momento da criação, para que se certifique de que o Verbo divino não é somente distinto do que foi criado, mas o próprio Criador (Jo 1.3; Gn 1.1-31).
João, ao dizer em sua primeira epístola, "O que era desde o princípio" (1.1), refere-se a Jesus Cristo que é desde o princípio (Jo 1.1; Gn 1.1; 1 Jo 2.7,13,14,24; 3.11). Em continuidade, ele diz: "o que vimos com os nossos olhos, o que temos contemplado, e as nossas mãos tocaram da Palavra da vida" (1 Jo 1.1). Essa expressão reafirma que Jesus, o Deus Filho, veio em carne (Lc 2.10-12) e que nesta condição habitou entre nós; não só revelando o Pai (Jo 1.18; 14.9) e o seu amor, mas também oferecendo a sua vida (Jo 19.30) como única condição de salvar a todos quantos crêem em seu nome (Jo 1.12; Hb 9.26-28).
1. O que vimos com os nossos olhos (1.1). João demonstra ter sido atencioso em todos os momentos em que esteve com Jesus. Ao dizer: "o que temos visto com os nossos olhos, o que temos contemplado", João dá ênfase ao fato de os discípulos terem convivido com Jesus fisicamente - experiência que o apóstolo Paulo não teve (no caminho de Damasco, quando Cristo lhe falou em meio a um resplendor de luz, Ele já havia retornado ao céu (At 9.3-6). Aqui João está afirmando que Jesus tinha um corpo físico tal qual profetizou Isaías (Is 53.3-7) e Davi (Sl 22.14,17). Para os apóstolos de Jesus, foi um privilégio; para nós, que não o vimos, mas cremos, é uma bem-aventurança (Jo 20.29).
2. O que ouvimos (1.3). João e os demais apóstolos presenciaram tudo o que Jesus realizou enquanto estiveram com Ele, porque foram convocados pelo Senhor, justamente a fim de que o vissem e ouvissem e depois testificassem, para o engrandecimento do Reino de Deus (Mt 28.18-20).
3. O que temos contemplado e as nossas mãos tocaram (1.1). O apóstolo investe a sua atenção ao usar todos os seus recursos para certificar seus leitores da presença física do Senhor entre os onze. Aqui pode estar incluído o momento em que Jesus apareceu-lhes no cenáculo onde estavam reunidos, e convidou-os a tocá-lo e constatarem que, se Ele fosse apenas um espírito, não teria carne nem ossos. Para consolidar suas convicções, pediu-lhes o que comer e, recebendo, comeu (Lc 24.36-43; cf Jo 20.20-24).Por ser eterno e estar acima da vida física e espiritual, Jesus transcende toda e qualquer consideração de tempo que alguém tente fazer a seu respeito.

III. CRISTO - A VIDA SE MANIFESTOU

Visto que no Verbo está a vida, Ele "se fez carne e habitou entre nós", a fim de oferecer a vida eterna ao homem (Jo 1.14; 3.16). Quando João escreve que o Verbo se fez carne, está dizendo que Deus planejou e tornou realidade a encarnação do seu Eterno Filho para que, na condição de homem, vivesse entre nós (Is 7.14; Mt 1.23). Nessa forma, ao sacrificar-se, Jesus oferece a vida eterna aos que o aceitam como seu salvador (Jo 3.16), os quais, por isso, tornam-se participantes da natureza divina (Jo 15.4,5). João anuncia estas verdades chamando a atenção da Igreja para as obrigações concernentes ao que está recebendo, pois, ao tomar conhecimento de doutrinas tão essenciais para a vida cristã, nos tornamos responsáveis diante de Deus pela aceitação e observância destas (Jo 5.39; Lc 12.48).


Ao recebermos a vida eterna, tornarmo-nos não somente participantes da natureza divina, mas também responsáveis pela observância das doutrinas essenciais da vida cristã.

IV. JESUS ETERNO E ATUANTE DESDE O PRINCÍPIO

1. No Antigo Testamento. Jesus sempre esteve presente e ativo antes e depois da sua vinda a este mundo como homem. Por Ele, todas as coisas foram criadas (Gn 1.26; Cl 1.16.17; Rm 11.36). O Antigo Testamento relata algumas de suas aparições, em forma humana, antes mesmo da encarnação. A Abrão, Ele apareceu acompanhado de dois anjos nos carvalhais de Manre e ainda se alimentou (Gn 18.1-8); no vau de Jaboque mudou o nome de Jacó para Israel (Gn 32.22-30) manifestou-se a Josué antes da destruição de Jericó (Js 5.13-15), e apareceu aos pais de Sansão (Jz 13.2-22).
2. No Novo Testamento, após sua morte redentora. A caminho de Damasco, Paulo teve a maior e melhor de todas as suas experiências com o Senhor Jesus, momento em que foi salvo e incumbido de levar o Evangelho ao mundo inteiro (At 9.1-8).
Quando o próprio João esteve em grande dificuldade na ilha de Patmos, o Senhor Jesus lhe apareceu para confortá-lo e lhe confiou revelações que, além de edificar-lhe, ofereceram sustentação doutrinária à Igreja do Senhor (Ap 1.17-22.21). A variedade de registros a respeito da ressurreição de Cristo realizada pelos escritores do Novo Testamento é a mais evidente prova de que o Senhor Jesus está e permanecerá vivo eternamente.As aparições de Jesus antes de sua encarnação, o fato de Ele ter participado da criação de todas as coisas, bem como a variedade de registros a respeito de sua ressurreição pelos escritores do NT, indicam que Ele vive eternamente.


O nascimento de Jesus, seu ministério, morte, sepultamento, ressurreição e ascensão, são as expressões máximas de sua perfeita humanidade e divindade. Sua onipresença em toda a história, sua indispensável estada, na forma humana, por um breve período no universo dos homens, e a direção da sua Igreja, são a prova de que Ele está conosco (Mt 28.20). Bem aventurados os que crêem assim.


Subsídio Teológico"Jesus teve, no seu nascimento, duas naturezas distintas. Pela concepção sobrenatural de Maria, Jesus herdou do seu Pai, pela operação do Espírito Santo (cf. Lc 1.35), a natureza divina com todas as suas características. De Maria, Ele recebeu a natureza humana. As suas naturezas divina e humana se uniram na constituição de sua pessoa de modo perfeito. As duas naturezas não se misturam, isto é, Jesus não ficou com a sua divindade 'humanizada' ou com a sua natureza humana 'divinizada'. Em Caná, quando Jesus transformou a água em vinho, a água deixou de ser água e passou a ser integralmente vinho (cf. Jo 2.8-10). Quando, porém, Jesus se fez homem, continuou sendo Deus verdadeiro, mesmo estando sob a forma de homem verdadeiro.
As duas naturezas operavam assim simultânea e separadamente na sua pessoa. Jamais houve conflito entre as duas naturezas, porque Jesus, como homem, seja nas suas determinações ou autoconsciência, sempre conforme a direção do Espírito Santo, sujeitava-se à vontade de Deus, de acordo com a sua natureza divina (cf. Jo 4.34; 5.30; 6.38; Sl 40.8; Mt 26.39).Assim Jesus possuía duas naturezas em uma só personalidade, as quais operavam de modo harmonioso e perfeito, em uma união indissolúvel e eterna". (BERGSTÉN, E. Teologia Sistemática. Rio de Janeiro: CPAD, 2004, pp.66,67).
O fato de Jesus ter se tornado humano, deixado a sua glória junto ao Pai, descido à terra e aqui vivido como um comum mortal é a maior prova de amor que possa existir. Lamentavelmente, essa mensagem tem desaparecido de muitos púlpitos. O evangelho pragmático tem tomado conta dos livros, hinos, mensagens e muitos outros meios, os quais deveriam ser usados para a glória e a honra do Senhor. O sacrifício redentor foi reduzido e rebaixado à categoria de balcão de empregos, sistema de saúde, consultório psicológico e tem sido confundido até mesmo com uma espécie de "jogo de azar", ao qual as pessoas recorrem para enriquecer com facilidade e sem nenhum esforço. Nós, que temos consciência da importância e do valor que esse gesto de amor possui, devemos agradecer ao Eterno Deus e proclamá-lo aos que estão à nossa volta. Enquanto o Evangelho é loucura para os gregos, cujos deuses "evoluíam" da condição humana para a divina, o nosso Cristo deixou a sua glória e fez o caminho inverso: continuou sendo Deus, mas também se tornou homem, experimentando a morte. Tudo para nos salvar! Se esta mensagem divina é loucura para os que perecem, para nós, é o poder de Deus, pois seu teor, conteúdo e aceitação, salvou-nos a vida da perdição eterna.



Jesus, a luz do crente

.

Expressões Parentais aplicadas ao Senhor Jesus

LUZ
TREVAS


Deus
2 Co 4.6; 1 Jo 1.5; Ap 22.5

Jesus
Mt 4.16; Jo 1.4-9; 3.19; 8.12; 12.46,35,36



Cristão
Mt 5.14; 2 Co 6.14; Ef 5.8; 1 Ts 5.5



Pecado

Mt 4.16; 6.23; Jo 12.46; Rm 13.12


Satanás
2 Co 11.14



Demônios

Lc 22.53; Ef 6.12



Luz: Claridade, luminosidade.

Com o propósito de manifestar Cristo como a luz divina e, seus seguidores como dependentes desta claridade, o apóstolo João fala do Filho de Deus como "Luz do mundo" (Jo 1.9; 8.12; 9.5), e chama os seus servos de "filhos da luz" (Jo 12.36). Isto significa que os cristãos compartilham da natureza divina, tão logo se tornam filhos do Altíssimo (Jo 1.12,13).

I. JESUS, O FILHO DE DEUS

João apresenta o Mestre como o homem perfeito, mas também divino. Ele é realista ao afirmar que Jesus tem um corpo físico, ou seja, é plenamente humano (Jo 19.38-40; 20.25-27) e, ao mesmo tempo, divino (Jo 20.28-31). Assim, contrariando os gnósticos (1 Jo 4.1-3; 2 Jo v. 7), João enfatiza que negar que Cristo veio em carne também é negar que Jesus é o Filho de Deus.
1. Jesus, o Filho de Deus. A Bíblia revela que Jesus é o Filho de Deus, através do qual temos: comunhão com o Pai (Jo 14.6), purificação de todo o pecado (1.7-9) e defesa diante do Senhor (2.1). João estava plenamente convicto do que Isaías profetizara concernente ao Messias (Is 9.6), do que Deus dissera (Lc 3.21,22) e do que o próprio Cristo também afirmara de si mesmo enquanto exercia o seu ministério (Jo 8.36) no Getsêmani (Lc 22.42), perante o sinédrio (Mc 14.61,62) e até mesmo na cruz (Lc 23.46).
2. Os pilares da doutrina cristã proclamados por João. O apóstolo João defende que devemos crer no nome de Jesus como Filho de Deus (1 Jo 3.23), aceitar que Ele veio a este mundo em carne para nos salvar (4.2), e que esta é a única condição de termos comunhão com Ele (4.15; 5.1).Devemos crer em Jesus como Filho de Deus e aceitá-lo tal como veio a este mundo: Homem sem deixar de ser Deus.

II. JESUS É A LUZ

João, inspirado pelo Espírito Santo, teve a missão de levar à Igreja a mensagem doutrinária sobre quem é Jesus Cristo. E, como já vimos, ele o faz destacando o fato de ter convivido com o Mestre (Jo 21.24; 1 Jo 5.20). O apóstolo Pedro também dá idêntico testemunho (2 Pe 1.16-18), e todos sabemos que, segundo a lei, o testemunho de dois homens é verdadeiro (Jo 8.17).
1. Deus é luz. A luz é uma das mais perfeitas figuras para exprimir a santidade, perfeição,justiça e sabedoria de Deus (2 Co 4.6). Isto é perceptível em toda a Bíblia. O apóstolo do amor afirma: "E esta é a mensagem que dele ouvimos e vos anunciamos: que Deus é luz, e não há nele treva nenhuma" (1 Jo 1.5). No último livro do Antigo Testamento, Malaquias profetiza o nascer do sol da justiça, referindo-se ao Senhor Jesus por ocasião da sua segunda vinda (Ml 4.2). Isaías profetizou sobre essa luz, que é Cristo (Is 9.1,2); Mateus registrou o seu cumprimento (Mt 4.12-16); e Simeão o aguardava (Lc 2.28-35).
2. Jesus, a luz do mundo. Cristo, no início do seu ministério, habitou em Cafarnaum, na Galiléia, e ali iluminou diversas vidas (Mt 4.12-16). Muitas pessoas, alcançadas neste período, continuaram firmes e tornaram-se testemunhas do Senhor mediante o Espírito Santo (At 1.8). Jesus manifestou-se publicamente, declarando: "Eu sou a luz do mundo; quem me segue não andará em trevas, mas terá a luz da vida" (Jo 8.12). Sua mensagem adverte que o homem só terá a vida eterna se aceitar a Cristo e viver segundo a sua Palavra, nosso manual de regra de fé e prática de vida (Jo 5.24).A luz é uma das mais perfeitas figuras que expressam a santidade, perfeição, justiça e sabedoria de Deus.

III. AS TREVAS OPÕEM-SE À LUZ

As trevas representam o nível de degradação espiritual e moral em que o mundo e o homem sem Deus se encontram. Elas se caracterizam pelo estado e pelas ações pecaminosas do homem, resultantes da transgressão de Adão para com Deus (Gn 3.6).
1. A origem das trevas do pecado. Trevas é um dos nomes do pecado (Jo 3.19; At 26.18), e tiveram sua origem na rebelião de Satanás contra Deus e no pecado de Adão e Eva contra o seu Criador e Senhor. A partir da Queda, a maldade, a corrupção, a depravação, o sofrimento, os vícios e a morte foram introduzidos no mundo (Rm 5.12). E foi para dissipar este estado de densas trevas que Deus enviou o seu Filho (Mt 4.16; Jo 3.16,17). Assim como a tragédia ocorrida no Éden afetou toda a humanidade, através do sacrifício de Jesus Cristo, todos aqueles que o aceitam como o seu Salvador são redimidos (Rm 5.17-21).
2. Outros usos da expressão trevas. Algumas vezes, dependendo do contexto, a Bíblia emprega este termo para referir-se a uma estrutura complexa de seres, composta por anjos malignos e seres humanos a serviço do mal e regidos pelo Diabo, que é o seu príncipe (Jo 14.30; 16.11; Ef 6.12; Jd v.6). Os homens não regenerados também são chamados de trevas (Ef 5.8), bem como os espíritos malignos (6.11,12). Em sua ignorância ou resistência à Palavra de Deus, os homens sem Deus estão indo de mal a pior e, caso não se convertam a Cristo, seu fim será o lago de fogo reservado para o Diabo e seus anjos (Mt 25.41).As trevas representam o nível de degradação espiritual e moral em que o mundo e o homem sem Deus se encontram.

IV. VIVENDO COMO FILHOS DA LUZ

Andar na luz (1 Jo 1.7) significa viver uma vida de santidade diante do Senhor, da Igreja e do mundo; viver uma vida de permanente separação de atitudes, atos e condutas pecaminosas. Esse modo de vida tem início quando o homem aceita a Cristo e sua Palavra e rejeita, cônscia e espontaneamente, toda a prática que fere os mandamentos do Senhor. Colocando essa decisão em prática, demonstramos que somos "luz no Senhor" (Ef 5.8).
1. Filhos da luz. Contrastando o estado dos efésios, antes da conversão, o apóstolo dos gentios os qualifica agora como "luz no Senhor" (Ef 5.8). Por sua vez, a Bíblia denomina os servos de Deus como filhos da luz, pelo fato de termos o privilégio de ser participantes da sua natureza divina, da imagem moral de Cristo. Uma vez que, através de Cristo Jesus, somos filhos de Deus, nosso viver em bondade, pureza e retidão deve refletir o caráter de Deus (Mt 5.48). Por isso, não somos apenas um brilho, mas pessoas comprometidas com a exaltação do nome de Deus por meio da nossa conduta em meio a uma sociedade corrompida (Fp 2.15).
2. A luz está intimamente ligada à vida. Do cristão se espera uma vida de alegria, segurança e irrepreensível em todas as esferas e em toda e qualquer circunstância (2 Rs 4.9; Jr 17.7,8; Ec 9.8). Tal pessoa tornou-se membro da família de Deus (Ef 2.19; Lc 8.21) e participante da plenitude do Senhor e de suas bênçãos (Ef 3.19; 1.3). Além disso, agora compartilha da natureza de Cristo, e suas atitudes expressam retidão (Mt 5.48), bondade (Lc 10.25-37) e justiça (Rm 6.18-22). Enquanto os homens pecadores evitam a luz (Jo 3.19,20), Jesus ordena aos salvos a manifestarem a sua luz para que o Pai seja glorificado por meio de suas vidas (Mt 5.14-16).Pelo fato de sermos filhos da luz, somos participantes da natureza divina e temos a imagem moral de Cristo.
Jesus é a Luz do mundo, por Ele fomos feitos filhos da Luz. É o seu desejo que nossa luz resplandeça no meio de uma geração alienada de Deus, incrédula, mundana e perdida, para que o povo veja nossas boas obras, converta-se e glorifique ao nosso Pai que está nos céus.

"Imagem de luz e trevas nas cartas joaninas.A polarização entre luz e trevas encontrada no Evangelho de João é transportada para suas epístolas e para o livro de Apocalipse. Em 1 João 2.8 encontramos nuanças escatológicas na imagem luz/trevas: '[...] vão passando as trevas, e já a verdadeira luz alumia' (cf. Rm 13.12). Isso é consistente com a ênfase joanina na vida eterna como uma experiência já disponível para os crentes, embora a ser consumada no futuro. A luz do mundo continua a brilhar após o retorno de Jesus para o Pai; as trevas não conseguem dominá-la. Contudo, na presente era, as trevas não passam totalmente.
A afirmação: 'Deus é luz' (1 Jo 1.5) é uma metáfora. Não obstante, no mesmo versículo aparece o tema do contraste das trevas em oposição à luz: 'Não há nele treva nenhuma. A natureza absoluta da polarização também é indicada: para João, a luz e as trevas são mutuamente excludentes e não podem coexistir. Nada que tenha alguma coisa que ver com trevas pode ter alguma coisa que ver com Deus. Assim, no versículo seguinte (1.6), por implicação, a pessoa que afirma ter comunhão com o Senhor e, contudo, caminha nas trevas não tem nenhum relacionamento com Deus, independentemente doque ela afirme".(ZUCK, Roy B. Teologia do Novo Testamento. RJ: CPAD, 2008, p.228).
Estar na luz é a condição que dá ao crente a possibilidade de avaliar sua conduta diante de Deus. Buscar esconder-se nas trevas é uma ilusão, pois o próprio senso comum sabe que escuridão é apenas a ausência da luz. Na realidade, as trevas não existem por si mesmas. Elas só se alojam onde não há claridade. Como cristãos, devemos procurar a presença do Senhor Jesus. É ela que expõe a verdade sobre nós mesmos. A luz que emana do Senhor revela-nos a situação em que nos encontramos. Talvez nossa auto-imagem não corresponda à imagem real que conhecemos diante da presença de Deus. Sobretudo, mesmo na vida biológica, a luz é uma condição para a nossa existência, o que não é diferente em nossa vida espiritual. Aproximemo-nos do Senhor e deixemos que a sua glória revele nosso real estado. Mesmo não sendo o que esperávamos ver, será benéfico para tomarmos a decisão de estar mais próximos dEle. Esta salutar atitude fará com que não nos desviemos e nos manterá firmes até a sua Vinda.


Jesus, o Redentor e Perdoador

Propiciação: Satisfação da justiça divina através do sacrifício de Jesus Cristo.

O Senhor providenciou um meio de se relacionar com os pecadores: Jesus Cristo, que justifica a todos os que aceitam seu sacrifício (Rm 3.26). É impossível pensar num cristianismo sem a cruz, sem o sacrifício vicário de Jesus, sem a quitação da dívida humana com Deus através de seu Filho. Nesta lição, veremos mais uma vez o que o Senhor realizou pela humanidade (Jo 3.16). Veremos ainda que a autêntica liberdade consiste em vencer o pecado atravésdo sacrifício de Nosso Senhor Jesus Cristo (Jo 8.36), e por meio do Espírito Santo que em nós habita (Rm 8.2-9).

I. A REALIDADE DO PECADO

Os escritores da Bíblia estavam cientes da realidade do pecado e da força que ele exerce sobre o homem. Paulo colocou de forma clara e didática esta luta diária do cristão contra o pecado, quando escreveu aos gálatas (Gl 5.16-21). Embora salvos, nascidos de novo, participantes da natureza divina, estamos no mundo e num corpo humano rendido ao pecado (Rm 6.6). Como filhos de Deus, queremos fazer sua vontade; como humanos, podemos falhar neste propósito (Rm 7.14-25).
1. A responsabilidade humana. O livre-arbítrio não nos foi dado por Deus para escolhermos o mal, mas o bem. Compartilhando suas experiências, Paulo, pela graça de Deus teve uma vida moral exemplar e foi fiel ao Senhor até o fim (2 Co 6.4-10; 2 Tm 4.6-8). O nosso alvo é a perfeição (Ef 4.13). Manter-se fiel a Cristo até o fim deve ser a decisão de todos os que experimentaram o novo nascimento, mediante o qual tornaram-se participantes da natureza divina, passando a gozar da comunhão com Deus (1 Jo 1.7). É o que se espera de quem se converteu a Cristo e que deixou de ser escravo do pecado, tornando-se servo do Senhor Jesus (Rm 6.1-23).
2. O ideal cristão (2.1). João adverte-nos contra os males do pecado, com a expressão: "não pequeis" (2.1). Assim devemos todos conduzir-nos fiéis ao Senhor e às Santas Escrituras, determinados a não pecar (1 Jo 2.1a). Por isso João alerta os irmãos a não pecarem, mostrando-lhes que evitar a transgressão deve ser o propósito de todo crente (Rm 8.13; Gl 5.16,17).
3. E se pecarmos? Embora o nascido de novo tenha recebido uma nova natureza que aspira à santidade e repele o pecado, está sujeito a dar lugar à carne, isto é, à natureza velha, da qual surge o desejo pecaminoso (Rm 7.5; Gl 5.17-21). O apóstolo do amor fala da possibilidade de pecarmos quando diz, mas "se alguém pecar" (2.1). Todo o crente é passível de pecar, bastando para isso, não vigiar e negligenciar o hábito de orar (1 Ts 5.17; Lc 22.39,40; ver também 1 Jo 1.8,10; Ec 7.20).Embora o nascido de novo tenha recebido uma nova natureza que aspira à santidade e repele o pecado, está sujeito a dar lugar à carne, isto é, à natureza velha, da qual surge o desejo pecaminoso.

II. O PERDÃO AO NOSSO ALCANCE

Quem pecar deve buscar imediatamente a Cristo Jesus que se compadece das nossas fraquezas e aceita-nos no trono da graça, desde que estejamos arrependidos e dispostos a confessar nossos pecados (1 Jo 1.9).
1. "Temos um Advogado" (2.1). Ninguém que se diz seguidor de Cristo e da sua Palavra vive contando com o perdão antecipadamente e mantendo uma conduta de vida pecaminosa (Rm 6.1,2). Entretanto, todo crente que, pecando, arrepender-se de seus pecados de coração, tem um Advogado junto a Deus que é fiel, justo e o conhece completamente - Jesus Cristo, Filho de Deus (1 Jo 1.9; 2.2). O crente que por fraqueza, falta de vigilância e desobediência, cometeu algum pecado, não pode e nem deve duvidar do amor de Deus e do poder restaurador do Evangelho por meio de Jesus Cristo (Pv 28.13; Rm 1.16).
2. Porque Jesus pode perdoar. A santidade de Deus requer uma punição para o pecado. Mas Cristo, amorosa e voluntariamente, sofreu em nosso lugar, tomando sobre si a pena do pecado. Assim, toda exigência da lei divina quanto ao culpado, foi satisfeita plenamente na cruz quando Ele efetuou a nossa redenção pelo seu sangue (Ef 1.7). Por esse ato de amor, obtivemos o perdão dos pecados; assim, fomos salvos da perdição eterna (Gl 3.13,14).O crente que por fraqueza, falta de vigilância e desobediência, cometeu algum pecado, não pode e nem deve duvidar do amor de Deuse do poder restaurador do Evangelho por meio de Jesus Cristo.

III. A SATISFAÇÃO DA JUSTIÇA DIVINA

O apóstolo do amor afirma que Jesus, além de Advogado, é também a "propiciação" pelos nossos pecados (1 Jo 2.2; 4.10). Propiciar é satisfazer a lei divina violada pelo transgressor. Jesus, como a nossa propiciação, cumpriu a pena do pecado em nosso lugar e abriu o caminho para a nossa justificação (Rm 3.24,25; 5.1).
1. Como e por que Cristo se tornou propiciação? Propiciação era uma palavra utilizada para identificar o sacrifício vicário e expiador com derramamento de sangue, aplacando a ira da divindade (Hb 10.10,14; Lv 6.24,25; 7.2). Como o Cordeiro escolhido por Deus desde a fundação do mundo para morrer em nosso lugar (Ap 13.8), Jesus se fez oferta sacrifical por nós (Ef 5.2b). Isto realça o propósito do Senhor para garantir o nosso perdão.
2. A abrangência da propiciação. Da mesma maneira, como o pecado abrange o universo (Rm 8.19-23), somente Deus pode alcançar todos os homens de todas as gerações, culturas e circunstâncias (Jo 3.16). O sacrifício de Jesus foi único e por todos, indistintamente (1 Jo 2.2).Propiciar é satisfazer a lei divina violada pelo transgressor. Jesus, como nossa propiciação, cumpriu a pena do pecado em nosso lugar e abriu o caminho para a nossa justificação.

IIV. LIVRES DO PECADO

A reconciliação com Deus e o fato de sermos participantes de sua natureza, só foi possível por sua misericórdia em enviar o seu Filho para morrer em nosso lugar. Tendo em vista esta verdade, como deve o crente honrar a Deus e serlhe sempre grato pela grandiosa dádiva da salvação?
1. Guardando os mandamentos. O apóstolo do amor afirma que guardar os mandamentos de Deus é uma demonstração de que estamos nEle e igualmente Ele em nós (1 Jo 2.3,4; 3.24; 5.3; 2 Jo v.6). Essa é uma verdade muito bem relembrada na vida do povo de Deus (Js 1.7,8; Sl 1.1-3; 119.141,166). Para João, guardar os mandamentos não significa escondê-los em algum lugar da memória, mas, sim, vivê-los e fazer com que façam parte do nosso cotidiano, até que chegue o dia em que se possa dizer: "vivo, não mais eu, mas Cristo vive em mim" (Gl 2.20).
2. Vivenciando a Palavra. João, o apóstolo do amor, de modo enfático e claro, afirma que quem alega que conhece a Deus, e não guarda (coloca em prática) os mandamentos do Senhor, é mentiroso. Quem diz que conhece a Deus, deve deixar claro, no seu viver e no seu agir, que guarda os seus mandamentos e anda de acordo com eles. Pois é nisto mesmo que certificamo-nos de que estamos nEle (1 Jo 2.5).Guardar os mandamentos deDeus é uma demonstração de que estamos nEle e igualmente Ele, em nós.
Cristo morreu pelos nossos pecados, para salvar-nos, santificar-nos e fazer-nos agradáveis a Deus. Não obstante, enquanto estivermos no mundo, estamos sujeitos a pecar. Se isso acontecer, temos um Advogado, perante o Pai e a sua santa lei. Daí, nosso propósito amoroso deve ser o de viver para agradá-lo. Isto é, uma vida pautada pelo querer de Deus, segundo os mandamentos divinos para um santo viver (1 Pe 1.16).

"É no propiciatório que o Deus justo e o ser humano pecador se encontram como amigos e mantêm mútua e plena comunhão, porque o sangue ali salpicado solucionou tudo para sempre. Tendo a justiça de Deus representada pelo conteúdo da arca, e a misericórdia de Deus representada pelo sangue aspergido no propiciatório, Deus pode ser perfeitamente glorificado, e o pecador pode ser perfeitamente salvo!". Abraão de Almeida


"Propiciação.No AT, o propiciatório era o lugar onde o Deus santo encontrava-se com os homens pecadores; ali o sangue era aspergido. No NT, a cruz tornouse o lugar onde Deus irá encontrar o homem através do sangue de Cristo. Dessa forma, João pôde dizer que Cristo é a propiciação, a expiação pelos pecados dos crentes e também pelos pecados dos não crentes (1 Jo 2.2). A doutrina da propiciação ensina claramente que a morte de Cristo na cruz representava uma substituição por causa do pecado. Sua morte satisfazia as justas exigências de Deus Pai, provocadas pelo pecado do homem. Como resultado dessa propiciação, Deus ficou satisfeito e o relacionamento do mundo todo com Ele foi alterado. O sacrifício da propiciação de Cristo foi a base para a reconciliação do mundo com o próprio Deus (2 Co 5.19). A reconciliação estava ligada ao fato do mundo ter mudado a relação a Deus através da morte de Cristo. A propiciação está relacionada com a reparação apresentada a Deus como resultado da morte de Cristo. Deus foi ofendido pelo pecado do homem, e é Ele quem precisa ser satisfeito através do pagamento por esse pecado".(PFEIFFER, C. F., REA, J., VOS, H. F. Dicionário Bíblico Wycliffe. RJ: CPAD, 2006, p.1612).

O propiciatório era uma peça feita de ouro, que representava o trono de Deus (Is 6.1). Era um trono de misericórdia, pois a palavra propiciatório significa "onde Deus nos é propício", "nos é favorável". O propiciatório era guardado pelos querubins, símbolo do poder de Deus. Nos querubins resplandecia o fogo da glória de Deus, fazendo sombra sobre o propiciatório. Ora, se os querubins faziam sombra sobre o Propiciatório é porque estava sobre eles o Shekinah, ou fogo terrível, fogo de Deus, que neles resplandecia. Depois de haver engrandecido e honrado a lei de Moisés em sua vida terrena, Jesus, ao morrer como justo em lugar do culpado, tornou-se a propiciação ou propiciatório para todo aquele que crê.
É no propiciatório que o Deus justo e o ser humano pecador se encontram como amigos e mantêm mútua e plena comunhão, porque o sangue ali salpicado solucionou tudo para sempre. Tendo a justiça de Deus representada pelo conteúdo da arca, e a misericórdia de Deus representada pelo sangue aspergido no propiciatório, Deus pode ser perfeitamente glorificado, e o pecador pode ser perfeitamente salvo!
(ALMEIDA, A. de, O Tabernáculo e a Igreja. RJ: CPAD, pp.59,60).



 A força do amor cristão


ATRIBUTOS DO AMOR
NATURAIS
1. Voluntariedade; 2. Liberdade; 3. Inteligência;


MORAIS
4. Virtude; 5. Desinteresse; 6. Imparcialidade;
7. Universalidade; 8. Eficiência; 9. Satisfação;
10. Oposição ao pecado; 11. Compaixão pelos miseráveis;
12. Misericórdia; 13. Justiça; 14. Veracidade;
15. Paciência; 16. Mansidão; 17. Humildade;
18. Abnegação; 19. Condescendência;
20. Estabilidade; 21. Santidade.



Amor: Sentimento e dedicação voluntários e desinteressados.

Não é sem razão que João é carinhosamente chamado de "apóstolo do amor". O tema - em seus vários aspectos - é o assunto central de sua primeira epístola (2.15; 3.1,16,17; 4.7-10,12,16-18; 5.3). Assim como no texto bíblico, ele aparecerá em nosso estudo várias vezes, pois não se pode falar de cristianismo, de vida cristã, sem falar de amor. A abordagem do assunto em várias ocasiões dá a idéia de sua importância e, ao mesmo tempo, da obrigatoriedade de sua prática.

I. O MANDAMENTO ATEMPORAL

Em seus ensinamentos, Jesus Cristo enfatizou reiteradas vezes a importância do fundamento da obediência e a razão principal de sua prática: o amor (Mt 22.37,39; Jo 13.34; 15.12). João focaliza o amor entre os irmãos, relembrando o ensino do Mestre, que disse aos seus seguidores que seriam conhecidos como "seus discípulos" pelo amor com que se amavam (Jo 13.35). Além disso, o ensinamento bíblico é claro quando afirma que, havendo cessado os dons espirituais, o amor ainda adentrará os portais da eternidade (1 Co 13.8).
1. Mandamento "antigo" e "novo". Neste texto, o apóstolo João chama os nascidos de novo à obediência do mandamento de amar; porque, ao praticá-lo, o cristão cumpre a lei (Mt 22.34-40; Rm 13.8-10; Tg 2.8). Ele nos fala de algo, aparentemente contraditório, que é o "antigo" e o "novo" mandamento. Na realidade, os dois adjetivos se referem ao mesmo mandamento que é o de amar. Como servimos ao Deus imutável, que nos manda amar tanto no Antigo quanto no Novo Testamento (Lv 19.18; Mq 6.8; Mc 12.33), e que inspirou Paulo a escrever que o "amor nunca passará" (1 Co 13.8), é plenamente claro que o amor é atemporal, ou seja, independente do tempo.
2. Em que sentido o mandamento de amar é antigo e novo. Apesar de a epístola de João ser universal, ela foi produzida dentro de uma realidade local, ou seja, para uma comunidade de fé, para uma igreja. Considerando a época em que foi escrita e o momento em que o grupo cristão a recebeu, é possível entender que João se referia a um assunto basilar aprendido no início da fé, quando de sua conversão (cf. 1 Jo 3.11). Neste sentido ele não é novo, mas antigo. Por outro lado, João destaca o ensino de Jesus Cristo que disse: "Um novo mandamento vos dou: Que vos ameis uns aos outros; como eu vos amei a vós, que também vós uns aos outros vos ameis" (Jo 13.34). A idéia não é que cada um deve amar do jeito que puder, pois o padrão de amor é o mesmo do Meigo Nazareno (1 Jo 3.16). Em contraposição à postura que supervalorizava o exterior, os cristãos não devem ser conhecidos pela observação cega e legalista de regras, mas pela vivência do amor em seus diversos relacionamentos. Em outro sentido, não devemos esquecer que, como um organismo vivo, a igreja recebe novos membros constantemente, e tal mandamento para os novos convertidos torna-se então novo.
3. O Senhor Jesus é o nosso exemplo de amor. O objetivo de cada cristão é ser como Cristo (Ef 4.13). No quesito amor, Ele nos deixou o exemplo de um amor incondicional ao comer com pecadores e publicanos (Mt 9.10,11; Mc 2.16). Declarou que há festa no céu quando um pecador se arrepende (Lc 15.7,10), demonstrando o valor que atribui a cada ser humano. Era sobre este amor que João pensava quando disse que devemos amar uns aos outros (Jo 13.34; 15.12,17), dando uma nova roupagem aos mandamentos das leis do Antigo Testamento (Lv 19.18; Dt 6.5). Na verdade, o mandamento "amarás o teu próximo" recebeu um significado todo especial a partir do ensinamento de Cristo sobre quem é o próximo (Lc 10.29-37). Para o Mestre, judeus, publicanos, gentios ou qualquer outro estranho, têm o mesmo valor (Cl 3.11).O fundamento da obediência e a razão principal de sua prática é o amor.

II. O CONTRASTE ENTRE LUZ E TREVAS

Mesmo tendo abordado o assunto anteriormente em uma única lição, a exemplo do que ocorre com o amor, João utiliza mais de uma vez o contraste entre "luz e trevas", de maneira completa ou implícita (1.5,7; 2.8-10).
1. Os filhos da luz. O contraste entre luz e trevas é uma figura muito usada no Novo Testamento para exemplificar a diferença entre o mundo e o Reino de Deus. Os nascidos de novo vieram das trevas para a luz (Jo 8.12), e são, eles mesmos, considerados luz (Mt 5.14). Fazendo alusão a esta mesma figura de linguagem, João explica que, uma vez salvos das trevas, se quisermos permanecer na luz, devemos amar uns aos outros assim como Cristo nos amou. Na realidade, a comunhão com os irmãos é a prova de que estamos na luz.
2. Evitando o ódio e mantendo-se na luz. As Escrituras deixam claro que é impossível alguém odiar seu irmão e andar na luz. Aliás, o simples fato de alguém confessar Cristo como seu Salvador e aborrecer ("odiar" na ARA) os seus irmãos, demonstra que esta pessoa está em trevas, isto é, não tem a Cristo (vv. 9,11). Quando João fala de ódio, transmite a idéia de algo habitual, que caracteriza um estilo de vida, um estado no qual a pessoa vive. Esse estado pode resultar em homicídio (3.11-15; 4.20,21).
3. Em relação ao pecado, os princípios da graça são mais profundos que as exigências da lei. Jesus exemplificou este ensinamento de diversas formas em seu conhecido "Sermão do Monte" (Mt 5.17-48). A lei condena o homicídio; a graça se antecipa ao expor a força motriz do homicídio - o ódio. É seguindo esta linha de pensamento que João afirma ser homicida qualquer que aborrece ao seu irmão (1 Jo 3.15). Assim, pelos padrões cristãos, não é necessário chegar a matar para ser considerado um homicida. O ódio faz parte da galeria dos pecados que levam o homem à morte espiritual (5.16). Contra este pecado, ou a fim de preveni-lo, só há um remédio: o amor. Por outro lado, aquele que ama a seu irmão, permanece na luz e nele não há tropeço (v.10). Se quisermos permanecer na luz, devemos amar uns aos outros assim como Cristo nos amou.Contra o pecado do ódio, ou a fim de preveni-lo, só há um remédio: o amor.

III. A DEMONSTRAÇÃO COMUNITÁRIA DO AMOR

João deixa claro que o amor precisa ser materializado através de ações que o demonstrem (vv.16-18). Isso aponta para a necessidade de a igreja ser conclamada a exercer o amor cristão. Fala também, como já vimos, nos tópicos anteriores, da importância de enfatizar o mandamento do amor.
1. O primeiro motivo para demonstrarmos o amor. A mensagem desta carta também nos edifica pelo fato de nos lembrar quem somos em contraste com o nosso estado anterior (vv.14,16). A vida do crente em Jesus necessita ser nutrida por devida gratidão a Deus pela obra substitutiva de Cristo na cruz. Esta obra vicária não só garante o perdão, como limpa o homem de toda a iniquidade (Is 53.5,6,11; Rm 4.7). A falta desse reconhecimento torna-nos incrédulos, mesmo que venhamos a dizer que somos piedosos (Rm 1.21; 2 Tm 3.1-5).
2. O desenvolvimento progressivo do amor. Conforme já foi dito, quando João estabelece um tempo específico, devemos levar em conta que a expressão "desde o princípio" se refere ao começo de suas vidas espirituais (3.11). À medida que o homem recebe a luz do evangelho, as trevas vão sendo dissipadas, e ele passa a amar aos seus irmãos. Com o passar do tempo e sendo constantemente exercitado, tal amor tende a ser cada vez mais intenso e visível (Rm 12.9,10; 13.8,10; Fp 1.9).
3. A necessidade do ensino sobre o amor cristão. O apóstolo, ao mesmo tempo em que fundamenta seu ensino na instrução que os irmãos já haviam recebido, aponta para a responsabilidade com que os primeiros crentes conduziram o discipulado da Igreja Primitiva, formando discípulos embasados em valores éticos e bíblicos, dos quais o amor é a mola mestra (3.14).Sendo constantemente exercitado, o amor tende a ser cada vez mais intenso e visível.

Os que pregam e ensinam precisam motivar a igreja a buscar esses valores e se aperfeiçoar em todos os aspectos (Cl 3.12-17). Foi nesta perspectiva que o Senhor Jesus iniciou a formação dos seus discípulos (Mt 5.43-48), e assim devemos viver.


"Passo agora a destacar os atributos daquele amor que se constitui obediência à lei de Deus.Esse amor, portanto, não sóconsiste num estado de consagração a Deus e ao universo, mas também implica emoções profundas de amor a Deus e aos homens. Ainda que seja um fenômeno da vontade, ele implica a existência de todos aqueles sentimentos de amor e afeição a Deus e aos homens que necessariamente resultam da consagração do coração ou da vontade ao máximo bem-estar deles. Também implica todo aquele curso visível de vida que necessariamente flui de um estado de vontade consagrada a esse fim. Tenha-se em mente que se esses sentimentos não brotam da sensibilidade e se esse curso de vida não existe, ali não existe o verdadeiro amor ou consagração voluntária a Deus e ao universo requerido pela lei. Aqueles brotam desta por uma lei de necessidade. Aqueles, ou seja, sentimentos e emoções de amor, e uma vida exterior correta, podem existir sem esse amor voluntário, conforme terei ocasião de mostrar no devido momento; mas esse amor não pode existir sem aqueles, uma vez que brotam dele por uma lei da necessidade. Essas emoções variam em força, de acordo com as variações de constituição e das circunstâncias, mas precisam existir em algum grau perceptível, desde que a vontade esteja numa atitude benevolente". (FINNEY, C. Teologia Sistemática. RJ: CPAD, 2001, p.195).
Quando olhamos para a primeira epístola de João e vemos o teste que ele apresenta para comprovar o amor cristão na vida do salvo - "Conhecemos o amor nisto: que ele deu a sua vida por nós, e nós devemos dar a vida pelos irmãos" (3.16) -, pensamos ser esta avaliação um pouco exagerada. Contudo, recorrendo aos escritos paulinos, encontramos sua recomendação aos crentes de Éfeso: "Sede, pois, imitadores de Deus, como filhos amados; e andai em amor, como também Cristo vos amou e se entregou a si mesmo por nós, em oferta e sacrifício a Deus, em cheiro suave" (Ef 5.1,2). Como nós, meros mortais, podemos imitar o Imortal e Supremo? Como o finito e efêmero pode imitar o Infinito e Eterno? Tanto o apóstolo do amor quanto o dos gentios, não está insinuando que existe a mínima possibilidade de o ser humano igualar-se a Deus. O que se entende, e é ponto pacífico em ambos os textos, é o inegável fato de que, após entregar-se novamente aos cuidados do Eterno, o ser humano tem possibilidade de desfrutar de um dos atributos comunicáveis de Deus. Exercer o amor cristão é uma das formas mais eficazes de pregar o evangelho. Jesus disse em João 13.35 que seus discípulos seriam conhecidos pelo amor entre eles. Apesar da questão temporal, esta palavra é estendível a cada um de nós, discípulos do Mestre, no tempo presente, pois o teste joanino continua em vigor.



O sistema de viver do mundo



CRISTIANISMO
MUNDO NÃO CRISTÃO


Um só Deus, Criador e Senhor
Não há Deus


Verdades Absolutas
Verdades Relativas


Fundamentos Bíblicos
Fundamentos Mundanos


Deus é o centro
O homem é o centro


Fazer a vontade de Deus
Hedonismo


Amor altruísta
Egoísmo



Mundo (kosmos): Sistema constituído de pessoas, idéias, leis, instituições, comportamentos e atividades conduzidos por Satanás.

O "sistema do mundo", conforme denominado pela Bíblia, além de manipular, subjugar e manter os seres humanos sob o domínio de Satanás, também objetiva desviar, por todos os meios, os crentes dos caminhos do Senhor. A Igreja jamais pode minimizar, ou ignorar, as ardilosas tramas deste sistema. Ela precisa, sim, posicionar-se contra ele, a fim de prosseguir vitoriosamente em Cristo Jesus (1 Jo 5.4,5).

I. O QUE É O MUNDO?

A palavra "mundo", conforme expressa na Leitura Bíblia em Classe, não diz respeito aos campos, mares, escarpas, acidentes geográficos e nem à ordem geral da criação. Este "mundo" designa a maneira de viver organizada, conduzida por Satanás e caracterizada pela indiferença, rejeição e oposição a Deus, à sua Palavra e ao seu Reino. Trata-se de um sistema constituído de pessoas, idéias, leis, instituições, comportamentos e atividades. Ler Jo 3.19; Tg 4.4; 1.27; 2 Co 4.4.
No princípio, Deus criou o mundo perfeito e bom (Gn 1.31). Todavia, lá no Éden, Satanás, em forma de serpente, induziu Eva a desejar ser igual a Deus (Gn 2.15-17; 3.1-6; 2 Co 11.3; 1 Tm 2.14). Foi a partir desta infeliz circunstância que todos os descendentes de Adão tornaram-se internamente portadores de uma natureza pecaminosa, e externamente opositores de Deus (Rm 5.12; Tg 1.14,15).
Com a contaminação do pecado, "o cosmos" (1 Jo 5.19) tornou-se um sistema maligno (Ef 2.2; Gl 1.4; 2 Co 4.4), controlado por Satanás, o príncipe deste mundo (Mt 4.8; Jo 14.30; 16.11; 2 Tm 2.26; 1 Jo 5.19). Ele exerce autoridade sobre grande parte das atividades típicas deste mundo e chefia um sistema invisível de maldade e destruição, no qual anjos malignos e homens ao seu serviço fazem direta oposição a Deus (At 8.4), à sua Palavra e ao seu povo (1 Pe 1.18,19; At 26.18). Isto pode ser claramente visto na mentalidade mundana dos nossos dias, expressa pelas idéias, opiniões, posicionamentos, leis, objetivos e metas do povo, dos governos, das nações e até mesmo de "certas igrejas" semelhantes à Laodicéia (Ap 3.14-18). Ler 2 Co 4.4; 2 Tm 3.1-5.
1. Os atrativos do mundo (v.16). Quando o cristão se deixa enganar pelas propostas desse mundo espiritualmente tenebroso, torna-se escravo de um sistema maligno que rouba, mata e destrói (Jo 10.10). Sua única saída é retornar imediatamente ao seio do Pai, por Jesus Cristo, nosso libertador (Jo 8.36). Foi o que aconteceu com o filho pródigo: desprezando o amor do pai e a vida abençoada no lar, resolveu bandear-se para o mundo, a fim de desfrutar de seus prazeres. Todavia, após perder toda a sua herança, abandonado e miserável, decidiu regressar a sua família. Retornando ao aconchego do lar, foi festivamente recebido pelo pai, que lhe restituiu tudo o que, no mundo, havia perdido (Lc 15.11-32). Todo crente fiel a Cristo deve evitar tal experiência (1 Jo 2.15). Ananias e Safira não tiveram a mesma sorte: amando o dinheiro e o engano, mentiram ao Espírito Santo e foram punidos com a morte (At 5.1-11).
2. O mundo sob a ótica de Deus. A Bíblia adverte-nos a não amarmos o mundo, uma vez que ele é dominado pelas trevas (Ef 6.12) e "jaz no maligno" (1 Jo 5.19; Jo 14.30). O mundo, ou seja, as pessoas são alvos do amor de Deus. Nesta perspectiva, temos a responsabilidade de resgatar do mundo todos os que vivem sem Deus, sem luz e sem salvação. "Deus amou o mundo de tal maneira que deu o Seu Filho" (Jo 3.16). Em sua oração sacerdotal, Jesus rogou ao Pai que não nos tirasse do mundo, mas que nos livrasse do mal. Ele, na verdade, queria que, pelo evangelho, alcançássemos a humanidade perdida neste cosmos (Jo 17.15,18). Deus não tem prazer na condenação do homem. O Senhor tem manifestado seu infinito amor desde que o primeiro homem lhe desobedeceu (Gn 3.15,21; Ez.18.4; 1 Tm 2.4). Todavia, este mundo não escapará da condenação eterna, caso não se arrependa de seus pecados, especialmente da incredulidade. É por isso que o apóstolo João registrou em seu evangelho: "a luz veio ao mundo, e os homens amaram mais as trevas do que a luz" (Jo 3.19).


Com a contaminação do pecado, "o cosmos" tornou-se um sistema maligno, controlado por Satanás, o príncipe deste mundo. Ele exerce autoridade sobre grande parte das atividades típicas deste mundo, e chefia um sistema invisível de maldade e destruição, no qual anjos malignos e homens ao seu serviço fazem direta oposição a Deus.

II. COMO O CRISTÃO DEVE VIVER NESTE MUNDO

A expressão "não ameis o mundo nem o que no mundo há" (v.15) não é uma sugestão ou conselho, mas uma ordenança severa da Palavra de Deus. Toda desobediência tem suas consequências. Imagine o que aconteceria se, diante de um semáforo assinalando vermelho para os pedrestes, resolvêssemos atravessar uma avenida de grande fluxo. Provavelmente, sofreríamos uma terrível e traumática consequência. Consideremos, pois, este exemplo na perspectiva de nossa salvação eterna (Hb 2.1-3).
1. Os elementos do mundo (v.16). A Palavra de Deus nos alerta contra a concupiscência da carne, a concupiscência dos olhos e a soberba da vida.
a) A concupiscência da carne engloba desejos impuros, vícios e prazeres sensuais. A Bíblia exortanosa fugir de toda e qualquer impureza (1 Co 6.18). O corpo não é mau em si mesmo, mas é uma presa fácil para o pecado. Por isso, devemos vigiar e orar sem cessar. O crente deve estar ciente de que ele é templo do Espírito Santo (1 Co 3.16; 6.19) e, portanto, deve viver uma vida piedosa e consagrada a Deus. Seu corpo deve ser um sacrifício vivo, santo e agradável ao Senhor (Rm 12.1,2).
Os vícios podem ser considerados concupiscência da carne. Ninguém que se deixa vencer por eles herdará o Reino dos céus (Gl 5.21, Ef 5.3-5).
b) Pela concupiscência dos olhos, o homem se torna cativo daquilo que ele vê.Para que isto não aconteça, é preciso que o crente mantenha-se constantemente em vigilância e oração (Mt 26.36). Foi por essa via que Eva desobedeceu (Gn 3.6). O mesmo se deu com Acã: "vendo" entre os despojos dos inimigos do povo de Deus uma capa babilônica, desejou-a, trouxe-a para si e morreu com toda sua família (Js 7.20-26). Davi também foi atraído pela concupiscência dos olhos. Olhando com lascívia, deu lugar ao pecado, arruinando sua fidelidade a Deus (2 Sm 11.2). A Palavra de Deus exorta-nos a não nos conformarmos com este mundo, a fim de que possamos viver no centro da vontade do Eterno (Rm 12.1,2).
c) A soberba da vida. Desde o princípio, Satanás engana o ser humano com a falsa idéia de que é possível ser igual a Deus (Gn 3.5). Com isso, o homem tenta a todo custo viver à parte de seu Criador, buscando sua própria exaltação, através de riquezas, "status", títulos e posições, com o intuito de ser honrado por seus pares.
Muitos lutam aferradamente pelo poder, pelo direito de exercer autoridade sobre seus semelhantes, ou pelo simples deleite que isso possa lhe trazer. Ser visto e admirado por todos é o objetivo máximo da vida de muitas pessoas. A Palavra de Deus nos assevera que isto não vem de Deus, mas do mundo; deste sistema que Satanás governa (1 Jo 2.16). Jesus nos ensinou qual deve ser o maior objetivo da nossa vida: buscar o Reino de Deus e a sua justiça (Mt 6.33). Nesta busca devemos investir todas as nossas energias.A expressão "não ameis o mundo nem o que no mundo há" não é uma sugestão ou conselho, mas uma ordenança severa da Palavra de Deus. Toda desobediência tem suas consequências.
O autêntico crente, que pratica os princípios do cristianismo bíblico, não deve adequar-se ao presente sistema mundano que engoda a humanidade e, se possível, até mesmo os filhos de Deus. Fomos chamados a viver uma vida separada deste mundo, com objetivos infinitamente mais nobres e que honram o nome do Altíssimo, que nos chamou das trevas para sua maravilhosa luz (1 Pe 2.9).


Não amar o mundo.O apelo de João a seus leitores é feito de forma negativa, mas o lado positivo precisa ser compreendido também. Os cristãos não devem amar o mundo. Ao mesmo tempo, é preciso dizer que eles devem amar a Deus e fazer sua vontade. De fato, é apenas à medida que o amor de Deus os enche e o desejo de Deus os motiva, o mundo pode ser conquistado.
 Quando João diz que os cristãos não devem "amar o mundo ou nada que está no mundo", não está pensando tanto a respeito do materialismo ("coisas"), mas nas atitudes que estão por trás do materialismo. Pois ele sabe, como todos nós deveríamos saber, que uma pessoa sem os bens mundanos pode ser tão materialista como uma pessoa que possui muitos desses bens; e, de igual modo, uma pessoa rica pode ser bastante desapegada dessa e de qualquer outra forma de mundanismo. Na verdade, João está pensando a respeito de ambição egoísta, do orgulho, do amor pelo sucesso ou o luxo e de outras características parecidas. Law reconhece isso em sua excelente paráfrase do apelo do apóstolo. Ele escreve 'não busque a intimidade e o favor do mundo não-cristão que o cerca; não aceite seus costumes como sendo suas leis, não adote ideais nem receba seus prêmios, muito menos busque confraternizar-se com sua vida'"(BOICE, J. M. As Epístolas de João. RJ: CPAD, 2006, pp.73,74.).

Deus quer usar a sua vida para proclamar sua Palavra ao mundo que jaz no maligno. Mas, para que você seja usado pelo Senhor, precisa manter-se puro. É necessário resistir aos impulsos diabólicos, que chegam a sua mente tentando destruí-lo. "... Toda pessoa que diz que pertence ao Senhor precisa abandonar o pecado" (2 Tm 2.19 NTLH). A falta de santidade conduz a inutilidade. Jesus nos advertiu: "Vós sois o sal da terra; e se o sal for insípido, com que se há de salgar? Para nada mais presta senão para ser lançado fora..." (Mt 5.13).
De acordo com Henry Blackaby, na sua obra Santidade, "Deus está chamando seu povo para voltar para Ele e ser um caminho de santidade, por meio do qual Ele possa alcançar o mundo perdido. Devemos construir nosso relacionamento com Deus de tal forma que nossas vidas possam ser uma estrada, por meio da qual, Deus possa alcançar o resto de nossa nação mediante um grande reavivamento entre o povo de Deus e um grande despertamento espiritual nos corações daqueles que não conhecem ao Senhor". O Senhor quer usá-lo neste mundo tenebroso.



A chegada do Anticristo


O Anticristo
Sua aparição
Dn 9.27


Sua identidade
2 Ts 2.8; Dn 7.8


Suas atividades
Dn 9.20-27


Seu fim
Ap 19.19-21



Anticristo: Um homem personificando o Diabo, porém, apresentando-se como se fosse Deus.
Ao falar sobre o Anticristo e os anticristos, João não estava se referindo unicamente a um assunto escatológico, isto é, ao que faz parte das últimas coisas e a algo que pertence apenas aos últimos tempos. Ele estava também advertindo seus leitores a respeito de um espírito que já ameaçava a igreja naquele período e que ainda está em plena atuação. Um espírito que nega a divindade e o senhorio de Cristo (1 Jo 4.3).

I. O ESPÍRITO DO ANTICRISTO NO MUNDO

João deixa claro que já é a última hora, ou seja, a vinda de Cristo se dará em breve (v.18). Muitos são os sinais de que a volta de Jesus poderá ocorrer a qualquer momento. Um dos sinais é a operação do Anticristo. De acordo com João, o espírito dEle já está no mundo (1 Jo 4.3). Ele exercerá domínio sobre todas as nações. Daniel fala a respeito do governo do Anticristo, mostrando que este será de grande influência: " se levantará, e se engrandecerá sobre todo deus; e contra o Deus dos deuses e falará coisas incríveis e será próspero" (Dn 11.36).
1. O terreno está sendo preparado. Atualmente observamos o fortalecimento das grandes organizações geopolíticas e a unificação dos blocos econômicos. Na verdade, trata-se de uma preparação para um único governo mundial, pois, de acordo com a Palavra de Deus, o Anticristo assumirá grande poder político (Dn 7.8), comercial e religioso (Dn 8.25; Ap 13.16,17). Segundo as Escrituras, ele terá o controle da economia mundial (Ap 13.16,17).
2. Prodígios e sinais. O Anticristo fará muitos sinais e prodígios, ou seja, obras sobrenaturais para que suas mentiras sejam confirmadas: "A esse cuja vinda é segundo a eficácia de Satanás, com todo poder, e sinais, e prodígios de mentira" (2 Ts 2.9). Ele usará destes sinais mentirosos para se impor e atrair seguidores. Porém, só conseguirá enganar aqueles que rejeitaram crer na verdade de Deus (2 Ts 2.10-12).
3. Sua aparição. Alguns pregadores e escritores, diante de grandes acontecimentos históricos e personalidades importantes, acabam afirmando que determinado líder político, ou religioso, é o Anticristo; que tal evento marcou ou marcará a sua chegada e muitas outras colocações de natureza duvidosa. Tenhamos cuidado com tais especulações, pois, apesar de seu surgimento ocorrer antes do arrebatamento da Igreja - tendo alguns sinais precedentes indicados no texto de 2 Tessalonicenses 2.1-12 - sua manifestação pública como tal só ocorrerá após Jesus retirar o seu povo da Terra, e ele só se revelará demonstrando toda sua oposição ao Senhor Deus, na metade da Grande Tribulação (Dn 9.27).O espírito do Anticristo já está no mundo (1 Jo 4.3). Ele exercerá domínio sobre todas as nações.

II. A PESSOA DO ANTICRISTO

Em um mundo influenciado pela mídia e inclinado à mitologia, é possível alguém pensar que o Anticristo será um ser estranho, de chifres, com aquela aparência caricaturada das representações demoníacas. Nada mais errado! Ele será uma pessoa influente que atrairá até mesmo os "cautelosos" judeus (Dn 9.20-27; Mt 24.22-27).
1. Sua identidade. Ele será uma personificação do Diabo, um líder mundial de habilidades e capacidades desconhecidas até o dia de hoje, possuirá um carisma irresistível e uma oratória extremamente persuasiva. É descrito também pelo apóstolo Paulo como o iníquo (2 Ts 2.8), pelo próprio João, no Apocalipse, como a besta, e pelo profeta Daniel como um "príncipe que há de vir" e o "chifre pequeno" (Dn 7.8; 9.26; Ap 13.2-10,18; 19.20).
2. Suas atividades. De acordo com as Escrituras, no início, o Anticristo fará um pacto com Israel, restaurando a antiga prática de sacrifícios no Templo em Jerusalém (Dn 9.20-27). Todavia, na metade deste período, ele quebrará este acordo, tornar-se-á um governante mundial, declarar-se-á Deus, proibirá a adoração ao Senhor e perseguirá terrivelmente aqueles que desejarem ser fiéis a Cristo (2 Ts 2.4). Conforme as profecias bíblicas, o filho da perdição realizará, por intermédio do poder satânico, sinais e prodígios de mentira (2 Ts 2.7-10). Este período é chamado de Grande Tribulação (Ap 7.14), um tempo de grande perseguição e oposição a tudo o que se chama Deus (Ap 12.17; 13.15).
3. Seu fim. Apesar dos seus feitos e poder, o Anticristo já possui um fim pré-determinado na Bíblia. Sua atividade se encerrará na Batalha do Armagedon quando o Senhor Jesus vier com a sua Igreja. Naquela ocasião, o Rei dos reis e Senhor dos senhores destruirá o Anticristo, seus exércitos e todos os que o seguirem (Mt 24.30; Ap 19.19-21).
Apesar dos seus feitos e poder, o Anticristo já possui um fim pré-determinado na Bíblia.

III. OS ANTICRISTOS NO MUNDO

Diferentemente do Anticristo que virá, muitos anticristos já naquele tempo haviam se manifestado e ainda se manifestam (2 Jo 1.7). Além destes, existem ainda os falsos profetas, homens enganadores que se fazem de cristãos para, se possível, enganar a Igreja (2 Pe 2.1; 1 Jo 4.1). Este fato atesta a advertência do apóstolo do amor quanto à realidade de que o "espírito do anticristo" (4.3) já está atuante e em plena operação, delineando a plataforma para a sua aparição e, ao mesmo tempo, guiando os pequenos anticristos. João apresenta algumas características destes anticristos, as quais merecem ser estudadas.
1. Saíram do seio da igreja. Estes falsos mestres se haviam infiltrado na comunidade cristã com o fim de mesclar-se entre os irmãos para perverter a doutrina dos apóstolos. Pareciam cristãos, mas não o eram de fato. Abandonaram a igreja talvez por terem falhado em seus propósitos de desviar o povo. Esta foi a prova que desmascarou sua real intenção. Ainda hoje há muitos que se dizem cristãos, mas na verdade não o são. Misturados no meio do povo de Deus, são verdadeiros lobos em peles de ovelha. A Bíblia nos adverte várias vezes contra estas pessoas (Mt 24.24; 1 Tm 4.1,2; 2 Pe 2.1; Jd 1-19). Cabe a nós apercebermo-nos da existência destes falsos mestres em nosso meio.
2. Negavam a sã e principal doutrina cristã. Os falsos mestres da época não admitiam que Cristo tivesse vindo em carne, negando assim o próprio Deus, já que Ele mesmo deu testemunho de Jesus (1 Jo 5.9; Jo 5.32-38; 8.18). O Filho de Deus é a mensagem central de toda a Bíblia; o apóstolo Paulo nos ensina que, em Cristo, todas as coisas serão congregadas (Ef 1.10) e que ao nome dEle todo joelho se dobrará, e toda língua confessará que Ele é Senhor (Fp 2.10,11). Qualquer ensinamento que negue isso é maldito (1 Co 16.22; Gl 1.8,9). Assim, esses mestres negavam a Cristo, a sã doutrina e a própria fé.
3. Queriam enganar os fiéis. A intenção dos falsos cristos e falsos profetas é enganar (Mt 24.24; 1 Tm 4.1,2). E só não conseguiram seu intento entre os leitores de João porque estes tinham o Espírito de Deus (v.20) e sabiam a verdade (v. 21). Jesus, quando falou a respeito do Espírito que enviaria, disse que Ele nos guiaria em toda a verdade (Jo 16.13), pois é chamado de "Espírito da verdade". Ele nunca deixará que sejam enganados aqueles que o têm em seus corações (1 Co 3.16; 6.19). Entretanto, espera-se dos filhos de Deus que conheçam as Escrituras (Sl 1), porque são Elas que nos fazem sábios (2 Tm 3.15). O salmista compara a Palavra a uma lâmpada para os pés e a uma luz para o caminho (Sl 119.105). Ela é a nossa bússola que não nos deixa errar o alvo (Fp 3.14). Nenhum falso mestre terá êxito em desviar pessoas que conhecem a verdade. Pois estes cristãos, alicerçados na Palavra, farão como os crentes em Beréia, que examinavam as Escrituras para confirmar se a pregação de Paulo e Silas era biblicamente confiável (At 17.11).Nenhum falso mestre terá êxito em desviar pessoas que conhecem a verdade.

CONCLUSÃO

O espírito do Anticristo já está no mundo, usando homens enganadores na realização de falsos milagres e manifestações, tentando iludir as igrejas. Se estas não estiverem cultivando a presença do Espírito de Deus, poderão cair em seus laços. Por isso, devemos estar alicerçados na Palavra de Deus, ocupando-se em meditar nEla de dia e de noite, pois o que qualifica um verdadeiro mestre ou pregador como homem de Deus são os seus frutos e obras (Mt 7.15-20), e não os supostos sinais que fazem até mesmo usando o nome de Jesus (Mt 7.22,23).


A Besta ou Anticristo será uma personagem de uma habilidade e capacidade desconhecidas até hoje. Será o maior líder de toda a história; acima mesmo de qualquer famoso general ou governante mundial conhecido. Será portador de uma personalidade irresistível. Sua sabedoria e capacidade serão sobrenaturais, quando consideramos seus atos à luz do relato bíblico. Além da ação diabólica direta, outros fatores contribuirão decisivamente para a implantação do governo do Anticristo, como poderio bélico, alta tecnologia e poder econômico.
Será um grande demagogo. Influenciará decisivamente as massas com seus discursos inflamados (Ap 13.5). A Bíblia diz que toda a terra se maravilhará após a Besta (Ap 13.3).
O Anticristo surgirá da área do antigo Império Romano, porque em Daniel 9.26 está escrito que o seu povo (isto é, o povo donde procede o Anticristo) destruíra a cidade de Jerusalém, e esse povo foi o romano, como bem documenta a história. Talvez ele seja nativo da Síria, porque Antíoco Epifânio, tipo futuro do Anticristo, era da Síria. (Ver Miquéias 5.5 na Tradução Brasileira).(GILBERTO, A. O Calendário da Profecia. RJ: CPAD, 2001, pp.48-50).
Paulo escreveu que o Anticristo será destruído pela Palavra de Deus (2 Ts 2.7,8). No Apocalipse, assim está narrado o seu fim: "E a besta foi presa e, com ela, o falso profeta, que, diante dela, fizera os sinais com que enganou os que receberam o sinal da besta e adoraram a sua imagem. Estes dois foram lançados vivos no ardente lago de fogo e enxofre" (Ap 19.20).
O Senhor Jesus mostrará a todos que o seu poder é irresistível. Ele é o Rei dos reis e Senhor dos senhores.
"Senhor Jesus, não nos deixes ser seduzidos pelo engano nem pelas mentiras do adversário. Que possamos, nestes instantes que ainda nos restam, agir de maneira santa e irrepreensível até que venhas buscar a tua Igreja".
Somente uma igreja cheia do Espírito Santo poderá resistir ao espírito do Anticristo que está em operação no mundo.
Claudionor de Andrade



A nossa eterna salvação


A SALVAÇÃO PODE SER VISTA EM TRÊS TEMPOS
Passado
Presente
Futuro


a) No passado a salvação significou o livramento da condenação do pecado;
b) No presente, a salvação significa o livramento do poder do pecado;
c) No futuro, o salvação significará o livramento da presença do pecado.



Salvação: Livramento do que aceita a Cristo do poder e da maldição do pecado.

A salvação é o resultado do grandioso propósito da Santíssima Trindade de resgatar a humanidade perdida. Deus, o Pai, arquitetou a salvação; o Filho a consumou quando veio ao mundo, morreu, ressuscitou, retornou aos céus; e o Espírito Santo a aplica no pecador contrito que, pela fé, aceita a obra redentora de Jesus efetuada no Calvário. A salvação não é primeiramente a prática de uma religião, mas um relacionamento real e vital com o Senhor Jesus Cristo (Jo 15.1-8).

I. DEUS, O PROVEDOR DA SALVAÇÃO

O apóstolo João, com muita certeza e entusiasmo, destacou o grande amor de Deus por nós ao nos tornar seus filhos, e, assim, participantes de uma tão grande salvação (3.1; Hb 2.3). Deus não somente concedeu-nos o perdão dos nossos pecados, mas manifestou seu amor graciosamente; enchendo-nos a alma de paz, convicção e consolo. Por sua imensa compaixão, substituiu nossa miséria, vazio e incertezas por júbilo, amor e esperança (Ef 1.3-6; 1 Pe 1.18-20).
1. A salvação na eternidade passada. No Éden, quando o primeiro casal pecou, imediatamente escondeu-se de Deus, pois o pecado afasta o homem de seu Criador (Gn 3.8b). Todavia, Deus, por seu amor indizível, busca o pecador a fim de restaurá-lo e livrá-lo da servidão do pecado (Gn 3.8,9,21).
Lá no Éden, o Senhor proferiu uma sentença acerca da serpente dizendo que sua cabeça seria esmagada. Esta foi a primeira promessa de redenção da humanidade (Gn 3.15). A Bíblia nos garante que na eternidade, Deus em Cristo nos abençoou com todas as bênçãos espirituais e elegeu-nos, predestinando-nos para filhos de adoção (Ef 1.3-5). Assim, pela providência de Deus, hoje somos seus filhos, salvos e herdeiros da coroa da vida (Ap 2.10; 2 Tm 4.7,8). Esse poder de filiação é tão expressivo que nos tira da dimensão terrena para a celestial (Jo 1.12,13; Cl 3.1-3).
2. A salvação hoje. O apóstolo João, em sua primeira epístola, usa a expressão "filhos de Deus" para identificar os crentes como criancinhas, nascidas de novo (1 Jo 2.1,12,28). A referida expressão está relacionada à comunhão e à convivência da criança com seus pais. Através da regeneração, Deus colocou em nós uma nova natureza (Jo 3.5,6), sem a qual não teríamos nos tornado novas criaturas (2 Co 5.17). Essa nova natureza, oriunda de Deus, habilita-nos a um novo estilo de vida, que nos conduz à boa, agradável e perfeita vontade de Deus. Esta divina natureza é completamente estranha aos que não conhecem a Cristo. É por isso que o mundo nos aborrece (1 Co 2.15,16; 1 Pe 4.3,4).
O fato é que estamos de passagem neste mundo. Aqui, somos estrangeiros e forasteiros (Hb 11.13; 1 Pe 2.11). Quando Cristo voltar, estaremos para sempre com Ele (Jr 31.3; Rm 5.8).
Deus não somente concedeu-nos o perdão dos nossos pecados, mas manifestou seu amor graciosamente; enchendo-nos a alma de paz, convicção e consolo.

II. JESUS, O AUTOR DA SALVAÇÃO (Hb 5.9)

Ao falarmos da missão salvífica de Jesus, devemos realçar seu nascimento, porque, sem o seu sacrifício, como propiciação pelos nossos pecados, jamais teríamos o poder de sermos feitos filhos de Deus (1 Jo 2.2; 1 Pe 2.24).
Em decorrência do pecado, a humanidade ficou sob o domínio e Satanás. Só Cristo poderia mudar essa situação, e de fato o fez: resgatou-nos das garras do Diabo, pagando um alto preço por nossa redenção (1 Pe 3.18). "Sabendo que não foi com coisas corruptíveis, como prata ou ouro, que fostes resgatados da vossa vã maneira de viver que, por tradição, recebestes dos vossos pais, mas com o precioso sangue de Cristo, como de um cordeiro imaculado e incontaminado" (1 Pe 1.18, 19). Cristo nos resgatou com seu precioso sangue: "Sem derramamento de sangue não há remissão" de pecados (Hb 9.22; Mc 10.45; 1 Co 6.20; 1 Tm 2.6).
1. Resgatados da prisão do pecado. Uma vez resgatado por Jesus, o crente precisa crescer e desenvolver-se na vida cristã. A Bíblia afirma que "se alguém está em Cristo, nova criatura é" (2 Co 5.17). Portanto, não existe meio termo. Ou a pessoa está em Cristo ou está sem Cristo. Está salva ou perdida. Permanecer salvo, do lado humano, depende da nossa disposição de seguir a Cristo até o fim (Hb 3.14; 1 Co 1.8; Mt 10.27). A salvação não é somente um ato, mas também um processo que requer exercício e vigilância (1 Co 10.12). É a nossa união com Cristo que nos mantém salvos (Jo 15.4,10). E essa união não consiste numa simples relação afetiva com Jesus, mas numa inserção integral no Ser divino (Jo 15.5).
2. O Espírito Santo é o mantenedor da salvação. É o Espírito Santo que aplica a salvação à nossa vida. Ele é o guardião que ajuda o crente a alcançar a estatura completa de Cristo (Ef 4.13; 2 Co 3.18; 2 Tm 4.18).
a) O Espírito Santo convence. Ele convence plenamente o homem das realidades espirituais do Evangelho, especialmente no que diz respeito ao pecado, à justiça e ao juízo divino (Jo 16.8-11). Ele registra nitidamente essas verdades na mente do homem fazendo-o entendê-las e reconhecer que elas são vitais para a sua vida aqui e no além. É o Espírito de Deus que faz o crente entender a Palavra lida e ouvida, para que ele cresça e se fortaleça (2 Tm 3.16,17).
b) O Espírito Santo habita no crente. Ele habita permanentemente na pessoa que, arrependida dos seus pecados, pela fé aceitou a Cristo e nasceu de novo (Jo 14.16,17; 1 Pe 1.23). É a presença do Espírito Santo atuando em nós que nos dá a certeza de que pertencemos a Deus (1 Jo 4.13; 3.24; 1 Co 3.16).
c) O Espírito Consolador. É o Espírito Santo que confirma no íntimo do crente que, em Cristo, somos filhos de Deus, dando segurança espiritual aos nascidos de novo (Rm 8.15,16).
d) O Espírito Santo promove crescimento e fortalecimento espiritual. Ele produz em nós o seu fruto (Gl 5.22,23). A Bíblia, na Epístola aos Romanos, trata das bênçãos do Espírito na vida do crente fiel (Rm 8.4-13). É impossível ao crente viver a vida que agrada a Deus sem o auxílio do Espírito Santo. A recíproca é verdadeira: se somos filhos de Deus pela conversão, e o seu Espírito habita em nós, devemos viver em santidade e justiça (Lc 1.75). A santificação é um processo iniciado e levado a efeito pelo Espírito Santo durante toda a nossa vida. (2 Co 7.1; 6.1-3).Sem o sacrifício de Jesus, como propiciação pelos nossos pecados, jamais teríamos o poder de sermos feitos filhos de Deus.

Vemos nesta lição a Trindade empenhada na salvação do homem, unida em prol do relacionamento íntimo do homem com Deus. A responsabilidade do homem é aceitar, sem restrições, o amor de Deus e o sacrifício vicário de Cristo, permitindo, incondicionalmente, que o Espírito trabalhe em sua vida.


"A salvação não consiste numa série complicada de ritos, ou numa série de passos místicos. Ela ocorre instantaneamente na vida do que, de maneira sincera, busca a Deus. Entretanto, mesmo que não haja ordem cronológica nos eventos que cercam a salvação, há uma sequência lógica, conforme nos mostra claramente a Bíblia.
Vários termos cruciais estão vitalmente relacionados à admirável experiência da salvação. Comecemos, pois, com o ministério da convicção.  Esse gracioso ato de Deus, embora atribuído ao Pai, é realizado através do Espírito Santo. Como o executor da divindade, Ele aplica os métodos da redenção aos que se entregam a Cristo.  O principal instrumento usado pelo Espírito Santo nessa obra é a Palavra de Deus.  Embora o Espírito Santo não restrinja a liberdade do indivíduo, chama os pecadores a virem a Cristo Jesus. Esse trabalho do Espírito é chamado de 'a doutrina da vocação' ou 'do chamamento'".
(MENZIES, W. W. & HORTON, S. M. Doutrinas Bíblicas. RJ: CPAD, 2005, pp.85,86).
A única esperança de redenção da humanidade encontra-se no sangue de Jesus Cristo, o Filho de Deus, derramado no Calvário. A salvação é recebida através do arrependimento dos pecados, diante de Deus, e da fé em Jesus Cristo. Pela lavagem da regeneração e da renovação do Espírito Santo, o homem é justificado pela graça, mediante a fé tornando-se herdeiro de Deus, de conformidade com a esperança da vida eterna.
A evidência interior da salvação é o testemunho direto do Espírito. A evidência externa, a todos os homens, é uma vida de retidão e de verdadeira santidade.



O crente e as bênçãos da salvação

Bênção: Todo e qualquer bem dispensado por Deus aos que o temem.

Ao tomar conhecimento do amor de Deus e aceitar Jesus e seu plano divino de salvação, o homem recebe de Deus a vida eterna - a maior dádiva que existe. Entretanto, para manter esta comunhão, é necessário ser diligente e produtivo com aquilo que recebeu do Senhor. Por isso, esta lição tem como objetivo principal despertar-nos para um apego maior aos fundamentos da fé e aos princípios básicos da Bíblia. Somente através das Sagradas Escrituras, é possível ter uma vida de compromisso absoluto com Deus, de forma que ela não seja somente conceitual e teórica, mas prática, assim como o modo de viver de Cristo e de seus discípulos.

I. A POSIÇÃO DO CRENTE DIANTE DO PECADO

O homem que vive a pecar, sem ter tristeza ou arrependimento de suas más ações, comporta-se como se a lei divina não existisse. Sua atitude demonstra rebelião contínua e deliberada contra o Senhor (2 Pe 2.10,12). O salvo é diferente, pois sua vida reflete o desejo de servir a Deus (Mt 5.16).
1. Cristo veio para destruir as obras de Satanás. A principal missão do Diabo é opor-se a Deus e aos seus planos, instigando a rebelião contra o Senhor e à sua lei. O Inimigo de nossas almas opera no mundo, porém, em breve estaremos livres de sua tirania, e toda a sua obra destrutiva cessará (Ap 20.10).
2. A morte de Jesus tornou possível viver em santidade. Ainda que requeira uma grande renúncia, Jesus espera que seus seguidores rompam definitivamente com a prática do pecado (Mt 5.29,30; 18.8,9). A Bíblia declara que quem permanece em Cristo não peca (1 Jo 3.6). Isto é, não vive na prática do pecado, pois tem um "sistema de alerta" que o previne contra a transgressão: as advertências do Espírito Santo que nele habita (Tg 4.5). A Bíblia é enfática ao dizer que uma pessoa que vive a pecar não conhece a Jesus (3 Jo v.11).
3. Viver na prática do pecado é incompatível com o ministério do Espírito Santo. Uma das tarefas do Espírito Santo é a implantação da nova natureza no crente (Jo 3.5-8). Quando o homem recebe esta nova natureza ao aceitar a Cristo como seu Salvador e Senhor, passa a fazer parte da família de Deus (Ef 2.19). Essa nova natureza proveniente de Deus reflete o caráter de Cristo, produzido no crente pelo Espírito Santo (Gl 5.22-24).O salvo não vive na prática do pecado. Sua vida deve refletir seu desejo de servir a Deus com fidelidade e santidade.

II. O CRENTE E SUA COMUNHÃO COM DEUS

É impossível ao homem viver sob a orientação das Sagradas Escrituras, sem que se debruce sobre ela com o propósito de aprender o seu conteúdo (Jo 5.39). Quanto mais o homem dedica-se a Deus, menos tempo e oportunidade tem para pecar. Sua vida vai, paulatinamente, sendo moldada e transformada pelo Espírito Santo, e ele torna-se cada vez mais contrário ao pecado (Sl 119.11; Ef 4.22-24). Algumas atitudes auxiliam-nos a estreitar a nossa comunhão com Deus. São elas:
1. Meditação na Palavra de Deus. A meditação unida à oração é a maneira mais produtiva de o crente desenvolver o seu conhecimento da Palavra de Deus e seus valores. Pela meditação, estudo e oração, o crente "come" a Palavra de Deus, isto é, apropria-se dela (Jr 15.16). Meditamos quando submetemos a nossa mente ao que Deus é, no que Ele em Cristo fez e faz por nós e no que Ele quer de nós (Cl 3.1,2). Esta é uma santa e bendita atividade na qual o crente deve se ocupar todos os dias (Js 1.8; Sl 1.2; 119.97). Paulo insta com os irmãos filipenses para que disciplinem e ocupem suas mentes com o que for verdadeiro, honesto, justo, puro, amável, de boa fama, virtuoso e louvável (4.8). Ao jovem pastor Timóteo, ele recomenda meditar e ocupar-se para ser operoso (1 Tm 4.15).
2. Oração. A oração é a maneira direta de o crente falar com Deus. Orar não é um monólogo, mas um diálogo do cristão e Deus, como filho e pai. A oração é uma prática indispensável à vida de todo crente em Jesus. Ela é o instrumento provido pelo Eterno, através do qual podemos nos dirigir a Ele como o Concessor da grande salvação e a Jesus Cristo que a executou quando morreu em nosso lugar (Jo 15.16; 16.23). A oração é um meio de comunhão entre Deus e o crente, e deve ser um exercício espiritual voluntário, almejado, indispensável e constante em nossa vida.
3. Jejum A prática do jejum, juntamente com a oração, é recomendada biblicamente (Mt 17.21). Inúmeros crentes negligenciam a observação do jejum como ensina a Bíblia, e por fim o abandonam de vez. Além do seu valor espiritual, o jejum ensina o crente a disciplinar seus apetites carnais, fortalecendo sua vida espiritual. Jesus jejuou e ensinou seus discípulos a jejuar. Ele disse: "[...] quando jejuardes" (Mt 6.16), o que deixa claro que esta era uma prática de cunho espiritual na vida de seus discípulos (Mt 9.15; 17.21; Lc 2.37; At 13.2,3; 14.23).
4. Imitar o exemplo de quem manteve comunhão com o céu. Jesus é o maior exemplo de uma vida de oração. Ele orava costumeiramente (Lc 22.39; Lc 5.16; Jo 12.20-28; 17.6-19) e nos ensina que devemos orar para que não caiamos em tentação (Mt 26.41). O Filho de Deus ensinou seus discípulos a orar, deixando claro que a oração é parte integrante e fundamental da vida cristã. Várias vezes Ele expressou: "quando orares"; "mas tu quando orares"; "e orando"; "portanto vós orareis" (Mt 6.5,6,7,9). Paulo, um exemplo de fé, começou a sua vida cristã com oração (At 9.9,11). Ele admoestava os irmãos a uma vida de constante oração. Em suas cartas Ele recomenda ao crente orar sem cessar (1 Ts 5.17), isto é, "em todo tempo, com toda oração e súplica" como um dos procedimentos na guerra contra o mal, bem como condição para manter-se firme na fé (Ef 6.10-19). Nenhum ser humano tem, em si mesmo, mérito algum diante de Deus, mas através do nome de Cristo, podemos esperar respostas para as nossas orações (Jo 14.13,14; 1 Tm 2.5). Em nossa jornada terrena é preciso buscar do Senhor forças espirituais para vencer as astutas ciladas do Maligno (Mt 6.13).Algumas atitudes como meditar na Palavra de Deus, orar, jejuar, e seguir o exemplo de quem tem intimidade com o Senhor, auxiliamnos a estreitar a nossa comunhão com Deus.

III. A SALVAÇÃO NOS HABILITA PARA O SERVIÇO CRISTÃO

O homem é apenas um servo. A Bíblia nos ensina essa verdade de maneira muito clara (Fp 2.7,8). Quando alguém aceita ao Senhor Jesus Cristo como seu Salvador e Senhor, deixa de ser "servo do pecado" (Jo 8.34), e passa a ser servo de Deus (1 Co 7.22; Gl 1.10), devendo, a partir de então, ser aplicado à Obra do Senhor e servo da Igreja (1 Co 9.19).
1. Nosso primeiro e maior exemplo. A vida de serviço do cristão deve ser espelhada em Jesus. O Mestre ensinou que não veio para ser servido, mas para servir (Mt 20.28), assim Jesus fez a vontade do Pai e realizou a sua obra (Jo 4.34; 9.5). Ele disse: "Se alguém me serve, siga-me" (Jo 12.26a); logo, Cristo nos tem como servos, isto é, pessoas comprometidas com a sua Obra.
2. Os crentes da igreja primitiva muito cedo se dedicaram ao trabalho do Reino de Deus (At 1.8; 8.4). Dorcas é um grande exemplo, servindo às viúvas e outros necessitados da igreja (At 9.36-39). Paulo apresenta uma galeria de homens e mulheres que se deram ao serviço do Senhor na igreja em Roma (Rm 16). Onesífero saiu a procurar em Roma o cárcere onde Paulo se encontrava e só assim Timóteo recebeu a sua segunda carta (2 Tm 1.16,17). Ao confiar tarefas especiais ao jovem pastor Timóteo, Paulo lhe mandou ocupar-se em tarefas ministeriais práticas e funcionais (1 Tm 4.15).Quando alguém aceita ao Senhor Jesus Cristo como seu Salvador e Senhor, deixa de ser "servo do pecado", e passa a ser servo de Deus.

Quando o crente tem a consciência e a disposição de buscar o seu crescimento e aperfeiçoamento espirituais, Deus, por sua graça o fará alcançar essas bênçãos e neste ato o precioso nome de Jesus é glorificado.
Algumas pessoas rejeitam a idéia da vida eterna, porque a atual é miserável. Mas a vida eterna não é uma extensão da vida terrena, miserável e mortal; a vida eterna é a vida de Deus, personificada em Cristo, que foi dada a todos os crentes como uma garantia de que viverão para sempre. Na vida eterna, não há morte, doença, inimigos, mal ou pecado. Quando não conhecemos a Cristo, fazemos escolhas como se esta vida fosse tudo o que temos, mas, na verdade, esta vida é somente uma ponte para a eternidade. Receba esta nova vida pela fé, e comece a avaliar todos os acontecimentos a partir de uma perspectiva eterna!



Os falsos profetas

Profecia: Declaração da mente e do conselho de Deus. (VINE)

Sempre houve no meio do povo de Deus impostores, que falavam falsamente em nome do Senhor, isto é, aquilo que o Eterno não falara, conduzindo o povo incauto ao erro. Este assunto é tão atual como o foi nos tempos de Jeremias (Jr 14.14; 23.25; 28.15), de Jesus (Mt 7.15) e dos apóstolos (At 13.6; 20.30; 2 Pe 2.1; 1 Jo 4.1). Que o Senhor, por sua misericórdia, levante homens e mulheres aptos a defender a Igreja contra os falsos profetas desses últimos dias (Mt 24.11,24; 2 Pe 2.1.

I. CONCEITOS

1. Profeta. Na Bíblia, o termo profeta designa aquele que é chamado por Deus para transmitir a mensagem divina ao povo (Jr 1.5,9; Ez 2.1-7; Dt 18.18). Em outras palavras, os autênticos profetas são porta-vozes de Deus; o próprio Senhor os chama "meus profetas" (Sl 105.15; Jr 7.25). Sua responsabilidade é de grande peso (Ez 2.1-7; 3.10,11), uma vez que eles são, na verdade, "homens de Deus", conforme está dito onze vezes em 1 Reis 4. Estes servos de Deus transmitem a Sua vontade e seus desígnios, além de desvendar o futuro segundo a inspiração do Espírito Santo. Todavia, a própria Palavra de Deus nos orienta que devemos nos acautelar dos falsos profetas (Mt 7.15).
2. Profecia. A profecia, tanto no Antigo como no Novo Testamento, é primeiramente declarativa e, depois, preditiva. A profecia preditiva revela-nos o plano divino em relação a Israel, a Igreja, aos gentios e a plena chegada do Reino de Deus. A maior parte das profecias, porém, é declarativa, pois é constituída de exortação, admoestação, encorajamento, promessa, advertência, julgamento, consolo. Em o Novo Testamento, a profecia é um meio divino de orientar, exortar e edificar a igreja (1 Co 14.3,4).
a) Aspectos da atividade profética. A profecia pode ser vista na Bíblia como um ministério permanente recebido de Deus (2 Rs 17.13; Jr 7.25; Lc 16.16; Hb 1.1); um dom ministerial na igreja (Ef 4.11-13; 3.5); e um dom espiritual na congregação (At 2.17,18; 1 Co 12.10; 14.1-4). O "dom de profecia" é uma capacitação sobrenatural do Espírito Santo concedida para transmitir a mensagem divina.
b) A profecia como dom ministerial em o Novo Testamento. A profecia como ministério profético não é uma pregação comum; é uma mensagem vinda diretamente do Espírito Santo. A pregação habitual, no entanto, é preparada antecipadamente (1 Tm 5.17). Como precisamos deste dom hoje na igreja! Ver Provérbios 29.18; Atos 15.32.
O profeta é um arauto da santidade de Deus; sua missão é expor com unção os padrões da santidade divina para o povo. O seu espírito ferve com santo zelo para anunciar a santidade de Deus e de tudo o que é dEle! O profeta de Deus faz os santos regozijarem-se no Senhor, mas também faz o ímpio estremecer e considerar o seu mau caminho. Ver Atos 24.24,50.
c) O dom de profecia (1 Co 12.10; 14.3,31). A profecia é o principal dom espiritual porque edifica a congregação (1 Co 14.4). Além disso, a profecia é um "sinal" para a igreja, enquanto as línguas são um "sinal" para os infiéis (1 Co 14.22).
d) A natureza da profecia. Devemos discernir a "profecia da Escritura", a qual é inerrante (2 Pe 1.20), da profecia da Igreja; esta deve ser julgada e só então acatada (1 Co 14.29). A manifestação do dom de profecia durante o culto deve ter limite. "Falem dois ou três profetas" (1 Co 14.29). Isto é, a maior parte do tempo do culto tem de ser destinada à exposição da Palavra de Deus, porque sendo esta soberana jamais poderá ser substituída pelo dom de profecia.A profecia pode ser vista na Bíblia como um ministério permanente, um dom ministerial e um dom espiritual.

II. A FALSA PROFECIA

Atualmente, observamos diversas pessoas correndo de igreja em igreja em busca de "profecias" e de "revelações". Tais "crentes", na verdade, querem respostas para seus problemas pessoais (2 Tm 4.3). Como já vimos em 1 Coríntios 14.3, o propósito divino da profecia é consolar, exortar e edificar. Qualquer profecia que fuja a este propósito não procede de Deus e jamais se cumprirá (Dt 18.22).
1. Julgando as profecias pela Palavra. A profecia na igreja necessita ser julgada (1 Co 14.29), mas quais os parâmetros para o seu julgamento? A resposta é a própria Palavra de Deus, que é nosso modelo áureo e referência plena de fé; o guia da nossa vida, do nosso culto ao Senhor, e do nosso desempenho no seu trabalho (2 Tm 3.16,17). Qualquer profecia na igreja que entre em conflito com os ensinamentos e doutrinas bíblicas não pode vir de Deus.
Os falsos mestres e profetas, como nos tempos do Antigo Testamento, enganam o povo, porque são emissários do Diabo (Jo 8.44). Todavia, a Bíblia declara: "Nenhuma mentira vem da verdade" (1 Jo 2.21). O crente fiel, que sempre ora e lê a Palavra de Deus, compara aquilo que ouve com o que está escrito na Escritura, a fim de comprovar a veracidade das profecias enunciadas na igreja.
2. Julgando o falso profeta pelos frutos. Jesus Cristo nos adverte a respeito de falsos profetas que se infiltram no meio do povo de Deus. Apesar da aparênciade piedade, não passam de agentes de Satanás; sua missão: corromper a fé dos salvos e destruir a unidade da Igreja (Mt 7.15-23). Muitos deles operam sinais e prodígios (Mt 24.24), mas tudo isto fazem sob a eficácia de Satanás (2 Ts 2.9,10). Como identificá- los? Como saber se estão em nosso meio? A resposta é: conhecendo a Palavra de Deus e tendo o discernimento pelo Espírito Santo. Além disso, os seus frutos são uma irrefutável evidência de sua mentira e falsidade (Gl 5.22,23). A árvore má não pode dar frutos bons (Mt 7.16-20).As profecias devem ser julgadas de acordo com as orientações expostas na Bíblia, e os profetas, pelos seus frutos.

III. ENSINOS FALSOS

Uma característica dos falsos mestres é ensinar o que as pessoas querem ouvir independentemente se estão erradas ou não (Jr 5.31; 1 Rs 22.12-14). Deus age de forma diferente para conosco. Ele fala, não o que gostamos de ouvir, mas o que precisamos ouvir, e corrige-nos sempre quando estamos errados porque nos ama (Hb 12.4-13).
1. A busca do ser humano pela prosperidade. Desde o princípio, o ser humano luta para adquirir e acumular riquezas, geralmente, de modo ilícito. Atualmente, esta busca tornou-se uma alucinação. A crise econômica mundial, o anseio por manter-se a salvo da miséria, o incentivo da mídia por um consumismo cada vez mais exacerbado e as incertezas do amanhã, formam um ambiente ideal para o surgimento de falsas doutrinas e profecias. O povo não se satisfaz com o que o Senhor garante aos seus filhos (Mt 6.25-33; Pv 30.8,9), mas deseja riquezas que, muitas vezes, são vistas como bênçãos divinas. A Bíblia adverte-nos contra essa busca insensata pelos bens e contra os que a encorajam mediante os seus ensinos (1 Tm 6.6-11, 17-19; Sl 62.10).
2. O menosprezo da glória de Cristo. Os vv.1-3 da "Leitura Bíblica em Classe" são, em primeiro plano, uma refutação ao gnosticismo, um falso credo que negava a divindade de Cristo nos primeiros séculos da Igreja. Os ensinos dos gnósticos negam o sofrimento de Jesus e o valor de seu sacrifício na cruz para expiação dos pecados e salvação dos pecadores. (1 Pe 2.21-24; Rm 5.5-9; 2 Co 5.21).
O sofrimento de Cristo na cruz e sua morte sequencial são dois elementos que comprovam a sua humanidade. Este mesmo Jesus ressuscitou em corpo glorioso e entrou onde estavam os discípulos reunidos a portas fechadas. Os discípulos que tocaram nEle após sua ressurreição viram-no ser assunto aos céus, e os anjos que ali estavam, afirmaram que o Senhor que ascendera aos céus, de lá voltará (At 1.10,11).
Hoje, muitos falsos profetas tentam afastar a Igreja do seu alvo descrito nas Escrituras, mediante a pregação de um evangelho fácil, sem renúncia, sem compromisso, sem santidade; um evangelho que apregoa apenas o apego pelos bens materiais. Assim como um marketing empresarial, tal evangelho emprega a mídia audiovisual com o objetivo de manipular as emoções do homem.Os ensinos falsos consistem geralmente na busca do ser humano pela prosperidade e no menosprezo da glória de Cristo.

Deus sempre advertiu seus servos contra os falsos profetas. Portanto, devemos estar prevenidos contra todo e qualquer ensino ou profecia que não esteja em consonância com a Palavra de Deus, sabendo que o fim desses promotores da maldade, que intentam desviar o povo de Deus, é perecer em sua própria corrupção (2 Pe 2.1-22).

"João começa com a declaração de que existem falsos profetas, bem como profetas verdadeiros, e com a ordem aos cristãos para que façam uma distinção entre eles. Ao mesmo tempo, ele indica qual é o ponto importante em fazer essa distinção. Não é se o fenômeno sobrenatural está presente, pois o Diabo também pode realizar milagres. É uma questão de definir a fonte da inspiração do profeta. Seria Deus? Nesse caso, o profeta é verdadeiro. Se não é Deus, então ele não deve merecer crédito nem ser seguido, independentemente de quão grande seja a sua sabedoria ou de quanto impacto sua atividade provoque.
Quando João diz que muitos falsos profetas virão ao nosso mundo, não necessariamente está pensando a respeito de sua época. De fato, ele saberia que sempre houve falsos profetas e que o povo de Deus sempre teve a tarefa de distinguir entre aqueles que são de Deus e aqueles que falam da parte de si mesmos ou pelo poder do Diabo."
(BOICE, J. M. As epístolas de João. RJ: CPAD, 2006, p.127).

A Bíblia nos declara que a intimidade do Senhor é para aqueles que o temem (Sl 25.14). Infelizmente, observamos nos últimos dias muitos homens e mulheres se autoproclamando íntimos e detentores dos segredos de Deus. Entretanto, quando atentamos para a vida deles, constatamos uma total falta de temor. Um dos termos gregos traduzido como temor (gr. Phobos) significa ter grande respeito pela majestade e santidade de Deus. Temer a Deus é ter a consciência de quem Ele é, um Deus santo e justo, que não se deixa escarnecer.
Em tempos de falsos profetas, é recomendável aos profetas temer a Deus antes de mais nada, uma vez que falar em nome Dele é algo profundamente sério. E aos membros do Corpo de Cristo, é imprescindível o discernimento. Talvez nosso maior problema hoje não seja a secularização da igreja, mas a falsa "espiritualidade", uma vez que aquela é facilmente identificada, no entanto, esta somente por intermédio do dom de discernir os espíritos.


O amor a Deus e ao próximo

Amor Ágape: amor abnegado, profundo e constante, como o amor de Deus pela humanidade.

Embora já tenhamos abordado o tema do amor em lição anterior, hoje trataremos desta questão sob outra perspectiva, a fim de que possamos fazer uma auto-avaliação com o objetivo de refletir a respeito das seguintes questões: Será que amo de fato a Deus e ao próximo? Como tenho demonstrado este amor?

I. O AMOR DIVINO

1. Deus é amor. Essa é uma das declarações mais sublimes da Bíblia. O amor não é apenas um dos atributos de Deus; é a sua própria essência e natureza. O amor divino é totalmente diferente do humano, uma vez que é incondicional, imutável e perfeito. Ainda que o homem o ame menos ou mais, o amor de Deus não sofrerá alteração alguma, porque é da natureza dEle amar. Em tudo o que faz, seu amor é demonstrado. Até mesmo quando corrige, o Eterno o faz porque ama (Hb 12.6).
A partir dessa verdade, a Bíblia declara que é impossível alguém conhecer a Deus e não amar (1 Jo 4.8). Ora, assim como um filho possui características de seu pai, nós, como filhos de um Deus que ama, naturalmente devemos amar como Ele amou (2 Pe 1.4; Jo 15.12). Do contrário, não seremos considerados seus filhos.
2. A manifestação do amor de Deus. Já aprendemos que Deus é amor, porém, neste tópico iremos demonstrar que Ele apresenta provas desse amor. Uma das mais expressivas provas encontra-se descrita no texto áureo da Bíblia (Jo 3.16). O amor de Deus manifestou-se em Cristo, Seu Filho unigênito (v.9). A expressão "unigênito do Pai" assinala a singularidade de Jesus sobre todos os homens e seres celestiais. Sempre que o autor usa o termo "unigênito" realça esse caráter singular de Cristo, levando-nos a compreender a grandeza do amor de Deus ao oferecer Jesus para morrer por nós (Jo 1.14,18; 3.16,18), a fim de que pudéssemos obter a vida eterna, quando ainda éramos pecadores (Jo 3.14-16; Rm 5.8; 2 Co 5.21; Ef 5.1,2).
Cristo é a materialização do amor divino. Jesus é a declaração de amor de Deus ao mundo (Tt 3.4). Para o homem, é impossível imaginar a grandeza, a largura, a altura e a profundidade desse amor. Em sua carta, o apóstolo faz questão de deixar claro que foi o próprio Deus quem tomou a iniciativa de nos amar e demonstrou isso enviando Jesus para perdão dos nossos pecados. Além disso, quando João afirma que Cristo morreu não somente pelos nossos pecados, mas também pelos de todo o mundo (1 Jo 2.2), enfatiza a abrangência do seu sacrifício expiatório e a grandeza deste amor (Rm 5.8).O amor incondicional, imutável e perfeito de Deus é manifesto em Cristo.

II. O AMOR COMO IDENTIDADE DO CRISTÃO

As palavras registradas por João (Jo 3.16) são retomadas no v.11. No entanto, aqui, o apóstolo o faz de forma bem mais aplicada e pessoal. Ele avalia a grandeza do amor de Deus em dar o seu Filho para morrer em nosso lugar e nos encoraja a fazer o mesmo (1 Jo 3.16).
1. O dever de amar a todos. "Amados, se Deus assim nos amou..." (v.7a). João dirige-se à igreja com um tipo de tratamento comum entre ele e os irmãos (2.7; 3.2,21; 4.1,7,11). Contudo, a ênfase está no modo como Deus amou. A Bíblia nos encoraja a amarmos à maneira dEle, que entregou seu filho à morte por amor. Será que estaríamos dispostos a amar assim? De acordo com as Sagradas Escrituras, não há alternativa para nós, pois está escrito que, como filhos de Deus, temos de agir como Ele (vv.7,8). Além disso, não é apenas a forma de amar que João ensina, mas também a quem devemos amar. Se o Pai, o Deus Todo-Poderoso, o Criador, nos amou antes de ser amado por nós, muito mais nós, seres humanos, que já experimentamos tão maravilhoso amor, devemos amar ao nosso próximo, conforme nos ensina a Parábola do Bom Samaritano (Mc 10.29-37).
2. A identidade cristã. "E qualquer que ama é nascido de Deus e conhece a Deus" (v.7b). Essa é a identidade do seguidor de Cristo (Jo 15.35); somos o reflexo do amor divino para o mundo. Ao mencionar que ninguém viu a Deus, o apóstolo João reforça a necessidade que temos de amar ao próximo, para que o mundo possa experimentar do seu amor. A nova criatura é a luz que ilumina o mundo, e suas boas obras são motivo de os descrentes glorificarem ao Senhor (Mt 5.16).
3. Deus nos capacita a amar. "[...] Deus está em nós, e em nós é perfeito o seu amor" (v.12). Deus não é apenas o nosso exemplo de amor ao próximo (Jo 13.15), mas também aquele que nos capacita a amar mediante o Espírito Santo que em nós habita (Rm 5.5; 8.9; 2 Co 1.22). Além disso, o amor de Deus é aperfeiçoado em nós, porque somos os seres nos quais Deus manifesta esse amor.O amor é a identidade do cristão.

III. O AMOR E A SEGURANÇA DA SALVAÇÃO

O capítulo 4 da 1 Epístola de João encerra-se ao apresentar algumas evidências daqueles que são filhos de Deus e, portanto, são salvos.
1. O amor ao próximo (vv.12,13). Quando somos salvos, transformados por Deus e feitos seus filhos, passamos a ter o seu amor dentro de nós. O ato de amar ao próximo é uma prova da nossa nova natureza e filiação. Aquele que já experimentou o amor divino consequentemente ama o seu semelhante. É por isso que o apóstolo afirma com tanta segurança e certeza que quem não ama, não conhece a Deus!
2. A confissão de Jesus como Filho de Deus (v.15). Aqueles que reconhecem que Jesus Cristo é o Filho de Deus, podem estar convictos de que são a habitação do Senhor. Tais pessoas só podem realizar essa confissão a partir do momento em que experimentaram o amor divino.
3. A confiança no amor de Deus (vv.16-18). O crente, que é morada do Espírito Santo de Deus (1 Co 3.16,17; 6.19), cumpre seus mandamentos, é santo, tem comunhão com Deus, permanece nEle e ama o seu próximo. Enfim, confia plenamente no amor que o Eterno tem por si e na sua salvação em Cristo. Por isso, está seguro em relação à vida eterna.Aqueles que são filhos de Deus amam ao próximo, confessam que Jesus é o Filho de Deus e confiam no amor divino.
Ao finalizar a lição deste domingo e o capítulo 4 da epístola, é imprescindível refletirmos a respeito da questão proposta no versículo 20: "Se alguém diz: Eu amo a Deus e aborrece a seu irmão, é mentiroso. Pois quem não ama seu irmão, ao qual viu, como pode amar a Deus, a quem não viu?" Logo, se você ama a Deus, ame ao próximo (v.21).


"A natureza do Amor Ágape.A pessoa que tem amor é sofredora. Este é o amor passivo, o amor paciente, o amor que espera, suporta, sofre, na quietude. A pessoa que tem amor é benigna. Certo escritor chama a benignidade de amor ativo. A pessoa que tem amor não é invejosa. A pessoa amorosa não tem inveja ou ciúmes do sucesso dos outros. A pessoa que tem amor ágape não trata com leviandade, não se ensoberbece. Ela não é orgulhosa. A pessoa que tem amor semelhante a Cristo não se porta com indecência. Ela não é rude. É natural a pessoa amorosa ser cortês, mostrar consideração pelos outros. A pessoa que tem amor não busca os seus interesses. Ela é altruísta. A pessoa que manifesta amor não se irrita. Ela não fica zangada facilmente. A pessoa que ama não suspeita mal. Ela não guarda rancor, não mantém um registro dos erros. A pessoa que tem o verdadeiro amor não folga com a injustiça, mas folga com a verdade."
(GILBERTO, A. O fruto do Espírito. RJ: CPAD, 2004, p.40-42).

Conforme Boice, mediante a epístola de João, podemos reconhecer que é possível haver pessoas na igreja extremamente moralistas no comportamento e ortodoxo na doutrina e, ainda assim, pouco praticantes do amor ao próximo.
É interessante que, não obstante a importância da observação destes, Jesus não col0ca a conduta moral nem a ortodoxia doutrinária como as marcas identificadoras do cristão. Tais elementos são fundamentais, mas não a essência do cristianismo, que é o amor.
O amor é o assunto principal da Bíblia e a razão de existir do cristianismo. Portanto, este deveria balizar todos os cultos, eventos, reuniões e relações da igreja de Cristo. Tudo que é feito na e pela igreja deve ter o amor como alicerce. Se somos discípulos de Cristo, obrigatoriamente refletimos o amor de Deus ao cantar, pregar, ensinar, presidir, exortar, ofertar, repartir, exercitar misericórdia ou qualquer outra coisa.



O testemunho interior do crente


NOVO NASCIMENTO

Razão: Tornar-se filho de Deus para ter acesso ao Reino dEle (Jo 3.3);
Base: A experiência espiritual, a origem celestial e a obra expiatória de Cristo (Jo 3.11-15);
Meios: Lavagem da regeneração e renovação do Espírito (Tt 3.5).

Testemunho Interior: É a declaração do Espírito Santo no íntimo crente de que ele é filho de Deus.
 Veremos que somente aqueles que são nascidos de Deus, isto é, crêem que Jesus é o Cristo, têm condições de amar a seus irmãos, cumprir os mandamentos divinos e vencer o mundo. Será que, de fato, temos experimentado ma nova vida em Cristo?

I. NASCIDOS DE DEUS

Por intermédio do texto bíblico que vamos estudar nesta lição, aprendemos que "todo aquele que crê que Jesus é o Cristo, é nascido de Deus" (v.1).
1. Nascer de Deus. É mediante a fé no sacrifício de Jesus que experimentamos uma nova vida. Somente o novo nascimento nos faz entrar numa nova relação com o Senhor, tornando-nos, verdadeiramente, filhos de Deus (1 Jo 3.1,2). A natureza espiritual desta nova relação vem de semente incorruptível, isto é, pela Palavra de Deus; é obra do Espírito Santo (cf. Jo 3.5-8), mediante as verdades vivas e eternas do evangelho de Cristo (1 Co 4.15).
Natureza humana só pode produzir natureza humana; e nenhuma criatura poderá elevar-se acima de sua própria natureza. A vida espiritual não passa de pai para filho de modo natural; ela procede de Deus: "O que é nascido da carne é carne, e o que é nascido do Espírito é espírito" (Jo 3.6,7).
Aquele que realmente nasceu de Deus está liberto da escravidão do pecado e passa a ter o desejo e a disposição espiritual de obedecer ao Senhor e andar sob a direção do Espírito Santo (v.2).O novo nascimento possibilita ao homem ter um relacionamento de filho com Deus.

II. OS FILHOS DE DEUS E O AMOR

Como resultado da nova vida recebida de Deus, mediante a fé, o crente passa a viver em retidão, procurando obedecer aos preceitos divinos; sobretudo ao princípio do amor ao próximo.
1. O amor cristão. A essência do Cristianismo é o amor (Rm 13.8-10; 1 Co 13). Isto foi declarado pelo próprio Senhor Jesus ao ser inquirido por um doutor da lei (Lc 10.25-27), e ao dar as últimas instruções aos seus discípulos (Jo 13.34,35). O apóstolo João afirmou categoricamente: "Aquele que não ama não conhece a Deus, porque Deus é amor" (1 Jo 4.8). Todavia, todo o que ama é nascido de Deus e o conhece.
2. O amor de Deus. Paulo nos diz que Deus nos amou quando éramos por natureza filhos da ira (Rm 6.8-10). Ele nos amou tanto que enviou seu Filho para morrer em nosso lugar (Jo 3.16). Quem é nascido de Deus precisa aprender com o Pai a amar de verdade.
3. O amor ao próximo. Quando interrogado sobre quem é o nosso próximo, Jesus proferiu a parábola do Bom Samaritano, esclarecendo que o próximo pode ser qualquer pessoa que necessite do nosso amor (Lc 10.25-37). A ordenança do Mestre vai além dos limites de apenas ajudar nossos amigos; devemos amar também os que nos maltratam e nos maldizem (Mt 5.43-48). Somente assim poderemos demonstrar que, realmente, somos filhos de Deus (Mt 5.45).
4. O amor que procede do Espírito. A Bíblia afirma que antes de conhecermos a Cristo, éramos "odiosos, odiando-nos uns aos outros" (Tt 3.3).
Sem Cristo, ninguém é capaz de amar ao próximo, muito menos se este for um inimigo contumaz. Mas, como nova criatura (2 Co 5.17), "o amor de Deus está derramado em nosso coração pelo Espírito Santo que nos foi dado" (Rm 5.5). O fruto do Espírito leva-nos a amar até mesmo aos que nos odeiam. Além disso, Jesus afirmou que seus discípulos seriam conhecidos pelo amor: "Nisto todos conhecerão que sois meus discípulos, se vos amardes uns aos outros" (Jo 13.35).O amor é a essência do cristianismo.

III. OS FILHOS DE DEUS E A OBEDIÊNCIA

1. Os filhos de Deus são obedientes. A todos que recebem a Jesus como Salvador pessoal, o Eterno concede o poder de serem feitos seus filhos: "Mas a todos quanto o receberam deu-lhes o poder de serem feitos filhos de Deus: aos que crêem no seu nome" (Jo 1.12). Dentre os muitos aspectos do crente como filho de Deus, destacamos a obediência. A essência de ser filho de Deus é o amor, e o cerne do amor é a obediência (Jo 14.22). Ser filho de Deus é viver em constante obediência. Os nascidos de Deus não vivem em rebeldia, mas seguem os preceitos divinos em amor (v.3). O verdadeiro crente participa da natureza divina que o move a ser um filho que obedece a Deus, exatamente o inverso do homem natural, adâmico, que por natureza é obstinado e rebelde (Rm 8.7).
2. Os filhos de Deus vencem o mundo (v.5). Os filhos de Deus não se conformam com as obras deste mundo, a saber, "as concupiscências" que em vossa ignorância praticavam (1 Pe 1.14). Esses desejos intensos de gozos materiais estão associados à falta de conhecimento legítimo do que é verdadeiramente útil, real, e necessário para se ter uma vida que agrade a Deus. Só cai diante dos apelos mundanos aquele que perdeu a visão do Reino de Deus, e fixou seu olhar nas ilusões passageiras deste mundo. Há uma separação entre o nosso passado sem Deus e a nossa posição de filhos de Deus, santificados em Cristo.
A nova vida em Cristo depende de o crente separar-se voluntariamente, passando a ser controlado pelo Espírito Santo de Deus; não mais vivendo sob o domínio do pecado, nem sob o controle da carne, mas dominado pelo Espírito do Senhor.
3. Os filhos de Deus O conhecem. Pela fé em nosso Senhor Jesus Cristo, conhecemos a Deus. Conhecer a Deus é algo progressivo, que continuará na eternidade. Observemos, pois, o que afirma o profeta Oséias: "Conheçamos e prossigamos em conhecer ao Senhor" (Os 6.3). Deus não deseja que você esteja inseguro em seu relacionamento com Ele. O Pai nos assevera: "se você crê no filho de Deus, tem a vida eterna" (Jo 3.36). Não tema, e nem duvide!
Quem conhece a Deus sabe que Ele ouve o clamor dos seus filhos, por isso, oram segundo a vontade do Pai: "E esta é a confiança que temos nele: que se pedirmos alguma coisa, segundo a sua vontade, ele nos ouve" (v.14). A oração dos filhos de Deus é atendida, pois todo aquele que é nascido de Deus não vive em pecado: "Sabemos que todo aquele que é nascido de Deus não peca" (v.18). Você vive uma vida santa? Então, comece a orar com confiança! Creia que o Pai ouvirá e responderá o seu clamor.Os filhos de Deus são obedientes, vencem o mundo e conhecem o seu Pai.

IV. O TRÍPLICE TESTEMUNHO

Segundo James Montgomery, na obra As Epístolas de João, o texto de 1 João 5.6-8 é a passagem mais impressionante do livro. De acordo com o Comentário Bíblico de Mattew Henry, há três testemunhas das doutrinas da Pessoa de Cristo e da sua salvação:
1. O Espírito Santo. O Espírito Santo é quem convence o homem do pecado, e da justiça, e do juízo (Jo 16.8). É o Espírito Santo quem revela, através da Palavra, toda a verdade a respeito de Jesus (Jo 14.16,26). Ele nos fez membros do Corpo de Cristo (1 Co 12.13). Ele nos santifica e liberta do pecado (Rm 8.2-4; Gl 5.16,17). É Ele quem nos ensina a obedecer a Cristo.
2. A água. Estabelece a pureza e o poder purificador do Salvador. A água também é símbolo do Espírito Santo. Por intermédio da Terceira Pessoa da Trindade, fomos lavados pela Palavra de Deus (Hb 10.22).
3. O sangue - Fomos resgatados do pecado por meio do sacrifício de Cristo. Jesus selou e pôs fim aos sacrifícios do Antigo Testamento. Os benefícios alcançados por seu sangue provam que Ele é o Salvador do mundo. Cristo é a nossa salvação (Sl 65.5). Não há salvação fora dEle (At 4.12).Há três testemunhas das doutrinas da Pessoa de Cristo e da sua salvação: o Espírito Santo, a água e o sangue. 
É requerido dos filhos de Deus amar o próximo. Quem ama a Deus e ao próximo tem prazer em seguir os mandamentos divinos, demonstrando ser um verdadeiro cristão. Não se esqueça: o verdadeiro crente vence o mundo mediante a fé em Cristo.
"Quatro passagens de 1 João mencionam o Espírito Santo. Duas delas lidam com a confirmação para os crentes de que Deus reside neles. 1 João 3.24 afirma: 'E nisto conhecemos que ele está em nós: pelo Espírito que nos tem dado'. De forma semelhante, 1 João 4.13 invoca a presença do Espírito na vida dos crentes como garantia do relacionamento deles com Deus. Essa linguagem é semelhante à de João 15.1-17, em que Jesus discute o 'estar' nos discípulos (NVI, 'permanecer'; em grego,meno). Essa passagem vem depois da promessa que Jesus fez aos discípulos de 'outro Consolador' (o Espírito Santo, 14.16) e precede a argumentação de Jesus sobre a obra do Espírito Santo em relação aos discípulos e ao mundo (16.5-16). Primeira João 5.6, da mesma forma que o Evangelho de João, afirma o papel de testemunha do Espírito: 'E o Espírito é o que testifica, porque o Espírito é a verdade' (cf. Jo 15.26; 16.13-15). O versículo seguinte, 1 João 5.7, reitera de forma clara, embora difícil, o papel do Espírito, junto com a água e o sangue, como testemunha por Jesus Cristo (cf. 5.6,10)".(ZUCK, R. B. Teologia do Novo Testamento. RJ: CPAD, 2008, p.225).
Vivemos num momento eclesiástico em que nunca ouvimos tanto a palavra "vitória" ser pronunciada. "Quem não deseja ser um vencedor?" A epístola de João nos apresenta o segredo da vitória sobre o mundo: a fé em Jesus como o Filho de Deus. (5.1,4).
Esta fé é essencial não somente para que o crente vença o mundo, mas também para que o homem nasça de novo, guarde os mandamentos divinos, ame a Deus e ao próximo. Na verdade, crer em Jesus como o Filho de Deus implica amá-lo, obedecer-Lhe e amar ao próximo. Por isso, João enfatiza tanto essa fé em seus escritos. Na verdade, sob a perspectiva joanina, se o crente, que não tem vencido o mundo, fizer uma investigação profunda em sua vida, descobrirá que a raiz do seu problema ou dificuldade encontra-se neste simples, mas indispensável, fundamento: a fé em Jesus como o Filho de Deus.


 A segurança em Cristo

Vida eterna: Suprema bem-aventurança dos que recebem a Cristo como o Salvador e Senhor de suas vidas.

Chegamos ao final do estudo da Primeira Epístola de João. Nas palavras derradeiras desta carta, o apóstolo ensina-nos acerca da confiança que os filhos de Deus devem ter na vida eternam Cristo Jesus. João conclui fazendo um apelo aos crentes para que não permaneçam na prática do pecado e admoestem os que assim vivem (vv.16,17).

I. A CERTEZA DA VIDA ETERNA

Como filhos e herdeiros de Deus, temos a certeza da vida eterna (v.13; Gl 4.7). Esta garantia é para todos aqueles que um dia firmaram, por meio da fé, um compromisso com Cristo, isto é, creram em Jesus como Senhor e Salvador de suas vidas.
João encerra sua epístola ressaltando que os que colocam sua fé inteiramente em Cristo ressuscitarão para a vida eterna, por ocasião de sua Segunda Vinda. As Escrituras afirmam que "todo aquele que vê o Filho e crê nele tenha a vida eterna; e eu o ressuscitarei no último Dia" (Jo 6.40).
De acordo com o Comentário Bíblico de Matthew Henry, os judeus consideravam que somente eles possuíam a vida eterna, uma vez que haviam recebido esta revelação de Deus por meio de suas Escrituras. Todavia, o apóstolo João ressalta que a vida eterna é para aqueles que crêem piamente no Filho de Deus.
1. Vida eterna. A vida eterna a que se refere João é a vida divina de alegria, paz, santidade e de transformação à imagem de Cristo pelo Espírito Santo (2 Co 3.18). Além disso, glória ainda maior seguir-se-á no porvir, quando formos apresentados incorruptíveis diante do trono de Deus; semelhantes a Cristo, e sem falta de nada, segundo a sua promessa.
2. Viva esperança. A Bíblia afirma que os filhos de Deus têm "uma viva esperança, pela ressurreição de Jesus Cristo dentre os mortos" (v.3). Isto é, uma esperança que jamais pode ser extinta. Não é como as esperanças fugazes e desapontadoras deste mundo. Esta viva esperança, no sentido bíblico, é sempre renovada pela confiança que temos no poder e na fidelidade do Deus Eterno, que a originou.
3. Glória eterna. A glória eterna que esperamos de Deus consiste em habitarmos para sempre com Ele, livres definitivamente da ruidosa presença do pecado. A glória de Deus, então, inundará a todos e a tudo ali (Ap 21.11,23; Cl 3.4). Esta é a verdadeira esperança do crente (Tt 1.2), mediante a qual somos salvos (Rm 8.24).Aqueles que são filhos de Deus, nascidos de novo, têm a certeza da vida eterna, possuem uma viva esperança e esperam desfrutar da glória eterna.

II. DEUS OUVE AS ORAÇÕES

Por meio do sacrifício de Cristo, temos comunicação direta com o Pai. Quando o Senhor entregou sua vida por nós, na cruz do Calvário, o véu do templo foi rasgado de alto a baixo (Mt 27.51; Lc 23.45), simbolizando o rompimento da barreira que havia entre Deus e a humanidade (Hb 10.19-22). Daí em diante, passamos a ter acesso irrestrito ao Todo-Poderoso.
João deixa claro que "se pedirmos alguma coisa, segundo a sua vontade, ele nos ouve" (v.14). Quando falamos com Deus em oração, não podemos exigir nada dEle, porque Ele é Soberano, e sua vontade sempre prevalece sobre a nossa. Todavia, se oramos em consonância com o seu querer, certamente seremos ouvidos. Na verdade, Deus não apenas nos ouvirá, mas nos dará uma resposta definitiva. Portanto, clame ao Senhor com confiança!
1. Dos que estão em Cristo. João tinha sempre em mente as palavras do Mestre sobre a oração dos que "estão em Cristo". "Se vós estiverdes em mim, e as minhas palavras estiverem em vós, pedireis tudo o que quiserdes, e vos será feito" (Jo 15.7). Por isso, o apóstolo pôde assegurar-nos de que seremos ouvidos. Estar em Cristo significa crer que Ele é o Filho de Deus (1 Jo 4.15) e, por conseguinte, cumprir os seus mandamentos (1 Jo 3.24).
2. Dos que se achegam a Ele. O profeta Isaías já proclamava da parte do Altíssimo: "Vinde a mim; ouvi, e a vossa alma viverá" (Is 55.3). O mesmo fez o próprio Senhor Jesus: "vinde a mim" (Mt 11.28). A Palavra de Deus nos encoraja a nos aproximarmos do trono do Senhor com confiança, porquanto aquEle que prometeu é fiel para cumprir todas as suas promessas (Hb 10.19-23).
3. Dos que amam o próximo. Quando amamos nossos irmãos, intercedemos por eles. Deus abençoou ricamente o patriarca Jó, "quando este orava por seus amigos" (Jo 42.10). Os apóstolos João, Paulo e Tiago são unânimes ao afirmarem que os filhos de Deus devem orar uns pelos outros (v.16; 1 Tm 2.1,8; Ef 6.18; Tg 5.16). Jesus é o nosso maior exemplo. Na cruz, em meio a dor e ao sofrimento, o Filho de Deus encontrou forças físicas e espirituais para interceder por seus algozes (Lc 23.34). Seu amor por eles sobrepujou a aflição que sentia em seu corpo e a angústia de sua alma. Quantos conseguem esquecer-se de seus próprios problemas para batalhar em favor dos alheios? Quantos estão dispostos a abrir mão do seu "eu" para investir um pouco do seu tempo orando pelos irmãos? Sigamos os passos de Cristo, pois é isso que se espera de um genuíno discípulo.Deus ouve as orações dos que estão em Cristo, se achegam a Ele e amam ao próximo.

III. O CRENTE E O NOVO NASCIMENTO

Os filhos de Deus não são dominados pelo pecado (Rm 6.14); quando pecam, o fazem acidentalmente e não por hábito (1 Jo 3.9,10). O pecado na vida do crente é um triste e lamentável episódio que pode e deve ser evitado por meio da vigilância, da oração, da sujeição a Deus e da resistência ao Diabo (Mc 9.29; 1 Pe 4.7; Tg 4.7).
1. Vida santa. Os filhos de Deus devem buscar a santificação, que, segundo as Escrituras, é decorrente de uma nova natureza: "Eleitos segundo a presciência de Deus Pai, em santificação do Espírito, para a obediência e aspersão do sangue de Jesus Cristo: graça e paz vos sejam multiplicadas" (1 Pe 1.2). O crente foi resgatado para uma vida santa (1 Co 6.19,20). Jesus não veio apenas livrar o homem do Inferno; mas torná-lo santo (Tt 2.14). O objetivo de Deus é que o crente participe da "herança dos santos na luz" (Cl 1.12). Segundo a Palavra de Deus, é mentiroso aquele que afirma ter comunhão com Deus e não muda o seu modo de viver (1 Jo 1.5; 2.4), porque o salvo deve ser luz no meio de um mundo perverso (Fp 2.15).
2. "Guardar-se dos ídolos". João conclui sua epístola alertando os crentes dos perigos dos ídolos: "Filhinhos, guardai-vos dos ídolos" (v.21). Vale ressaltar que ídolo é tudo aquilo que, em nosso coração, tira o lugar do Único e Verdadeiro Deus. A idolatria é obra da carne (Gl 5.20) e, portanto, uma prática abominável diante do Todo-Poderoso (Dt 7.25). Os apóstolos, em suas diversas epístolas, condenaram de modo veemente o envolvimento dos cristãos com a idolatria (1 Co 10.14; 1 Pe 4.3). Estejamos alertas! Somente Cristo deve reinar em nossos corações.Os nascidos de novo demonstram uma vida santa e guardam-se dos ídolos.
Mediante a fé em Cristo, nos tornamos filhos de Deus. Agora, o pecado não tem mais domínio sobre nós e, consequentemente, podemos viver uma vida santa e entrar na presença de Deus com plena confiança de que seremos ouvidos. Não existe maior privilégio do que este: tornar-se filho de Deus. Você é filho do Altíssimo! Portanto, viva de modo que O agrade.


"10.5.1. Graça de Deus e responsabilidade do crente.A Bíblia ensina que a preservação depende tanto do poder de Deus como da atitude do crente permanecer em Jesus! Vejamos que tanto o Senhor Jesus Cristo como os apóstolos falaram sobre este assunto.
É necessário ter um equilíbrio bíblico na doutrina da preservação.
Se houver ênfase somente no poder de Deus como a força que guarda o crente, omitindo a própria responsabilidade pessoal de guardar-se do mal, abre-se a porta para uma vida espiritual de descuido. Se, por outro lado, houver ênfase somente no esforço do crente de guardar-se, omitindo-se a gloriosa manifestação do poder de Deus como o principal fator da proteção, abre-se caminho para um verdadeiro fracasso espiritual. A Bíblia fala e a experiência confirma: 'Não por força, nem por violência, mas pelo meu Espírito, diz o Senhor dos Exércitos' (Zc 4.6). O caminho certo para preservar o crente na salvação é mediante a fé, guardada na virtude de Deus para a salvação já a se revelar no último tempo (cf. 1 Pe 1.5). Assim chegaremos lá!
(BERGSTÉN, E. Teologia Sistemática. RJ: CPAD, 2004, pp.243-245).
"A doutrina da segurança não é uma desculpa para o pecado, e sim um encorajamento para não pecarmos. O fato de eu saber que sou casado e que tenho documentos para provar isso ajuda-me a não me sentir tentado a me envolver em outro relacionamento. Eu e minha esposa estamos seguros do amor que sentimos um pelo outro. Quando imagino a inestimável graça que Deus derramou sobre mim, desejo me acercar ainda mais dEle, e compartilhar mais ainda o seu amor.
Saber que Ele orou por nós quando estava aqui na terra e que ainda ora por nós, na glória, deve nos fortalecer em nossa luta. Tudo o que Deus é, e tudo o que Cristo fez e ainda está fazendo, combinam-se para produzir em nossos corações o tipo de segurança que conduz a um viver santo".(WARREN. W. W. A oração intercessória de Jesus. RJ: CPAD, p.145).

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Deixe aqui seu comentário!

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.